caligari

1 – O Gabinete do Dr. Caligari (1920)

Das Cabinet des Dr. Caligari / The Cabinet of Dr. Caligari

1920 / Alemanha / P&B / Mudo / 78 min / Direção: Robert Wiene / Roteiro: Carl Mayer, Hans Janowitz / Produção: Rudolf Meinert, Erich Pommer / Elenco: Werner Krauss, Conrad Veidt, Friedrich Feher, Lil Dagover


Apesar de, tecnicamente, A Mansão do Demônio de 1896, curta dirigido pelo visionário George Mélies nos primórdios do cinema ser considerado o primeiro filme de terror já feito (dá para assistir inteiro AQUI), Thomas Edison já ter feito sua versão de Frankenstein em 1910, primeira adaptação do livro de Mary Shelley para as telas (como pode ser assistido AQUI), e O Estudante de Praga ser considerado o primeiro longa com elementos de terror, é O Gabinete do Dr. Caligari a pedra fundamental do cinema de horror e do que seria visto no vindouro cinema fantástico alemão.

Foi o filme que definiu muito da estética e da narrativa que seria empregada no gênero até os dias de hoje. Lembro da primeira vez que assisti a esse filme. Confesso que foi de forma tardia, afinal, um adolescente acostumado a ver tripas e sangue jorrando da tela, não tinha saco para assistir um filme alemão, preto e branco, mudo, da década de 20. Já tinha mais de 20 anos quando fui vê-lo em uma mostra de expressionismo alemão que acontecia no Centro Cultural Banco do Brasil, aqui no centro de São Paulo.

E fiquei maravilhado com o que eu vi. Afinal, podemos dizer de uma forma grosseira que o tal Dr. Caligari foi o primeiro vilão maligno e manipulador do cinema, abrindo as portas para muitos outros cientistas e doutores loucos, por assim dizer. E fora todos os temas que o filme traz, que tornaram-se futuros clichês após quase 100 anos da produção: sonambulismo, assassinato, manipulação, trauma, sequestro, um assassino serial, reviravoltas no final e aquela dúvida sobre o que é sanidade e o que é loucura. Sim, tudo isso em um filme mudo de 1920!!!

Nunca pergunte a um sonâmbulo a data de sua morte. Fica a dica!

O longa começa com Francis, um jovem rapaz trazendo à tona durante uma conversa, a terrível experiência que viveu por decorrência da chegada do Dr. Caligari na feira anual de Hoistenwall. Em seu gabinete, Caligari apresenta ao público sua atração, um sonâmbulo chamado Cesare, interpretado por Conrad Veidt, enquanto uma série de assassinatos assola a cidade. Francis começa a investigar o famigerado doutor e seu sonâmbulo depois que seu melhor amigo é assassinado e sua amada, Jane é atacada, e aí a trama começa a se desenrolar até seu clímax impressionante.

Tudo isso permeado por um clima soturno, característico do expressionismo alemão, cenários quase surreais como em um sonho, o exagero das expressões de horror e maquiagem carregada nos rostos pálidos que acentuam os olhares arregalados de pavor. Mas tirando toda a parte estética, a parte artística e cult do filme, o que mais liga na produção, pelo menos para mim, é a forma como é trabalhada a degradação psicológica do protagonista, até chegar ao seu final inesperado.

Com o desenvolvimento da psicanálise e a publicação dos primeiros trabalhos de Freud e Jung, O Gabinete do Dr. Caligari traz o medo do subconsciente, o pavor de um sujeito que pode brincar com a nossa psique, um verdadeiro vilão famigerado que alimenta nossas neuroses em cada sombra ou cenário irregular, que pode controlar as mentes e usar seres humanos como fantoches, assim como faz com o pobre Cesare. Esse é o reflexo de uma Alemanha mutilada após a primeira guerra e uma metáfora ao desejo assassino incontestável de governos e soldados, algo que aquela nação viria a provar novamente anos mais tarde.

Resumindo, O Gabinete do Dr. Caligari é um filme obrigatório. E se você ainda não viu, assista para saber como surgiu tudo. Não faça como eu. Deixe de lado o bode (se você tiver algum) de ver um filme alemão, mudo e preto e branco, pois vale MUITO a pena.

Cada canto escuro e sombrio…

 

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Laércio disse:

    Cara, já estou baixando o torrent! Fiquei curioso pra ver o filme! Mal posso esperar pelo segundo de sua lista

  2. […] 1 – O Gabinete do Dr. Caligari (1920) […]

  3. […] 1 – O Gabinete do Dr. Caligari (1920) […]

  4. […] que você que chegou aqui agora, tenha vontade de olhar o histórico e começar a lista desde O Gabinete do Dr. Caligari lá atrás, e você que tem acompanhado os posts desde o começo, sinta-se tão realizado em rever […]

  5. […] 1 – O Gabinete do Dr. Caligari (1920) […]

  6. […] do que vinha sendo feito na Europa, onde alguns clássicos do gênero já haviam despontado como O Gabinete do Dr. Caligari e Nosferatu – Uma Sinfonia de Horror, na terra do Tio Sam o gênero era pouco ou quase nada […]

  7. […] história sobre o maléfico czar russo Ivan, o Terrível, interpretado por Conrad Veidt (Cesare de O Gabinete do Dr. Caligari e Gwynplaine de O Homem que Ri, também dirigido por Leni) é a que possui elementos mais cruéis […]

  8. […] As Mãos de Orlac  é um senhor filme de terror do início do gênero. Mais uma vez somos presenteados com um filme tomado por uma atmosfera gótica e sombria do expressionismo alemão, em uma história tenebrosa contada pelo diretor alemão Robert Wiene (o mesmo de O Gabinete do Dr. Caligari). […]

  9. […] nos brindado anteriormente com Cesare de O Gabinete do Dr. Caligari e o pianista Paul Orlac em As Mãos de Orlac, com aquele sorriso escancarado no rosto é realmente assustadora. Ele não precisa fazer […]

  10. […] do que vinha sendo feito na Europa, onde alguns clássicos do gênero já haviam despontado como O Gabinete do Dr. Caligari e Nosferatu – Uma Sinfonia de Horror, na terra do Tio Sam o gênero era pouco ou quase nada […]

  11. Papa Emeritus disse:

    Esse NÃO É o primeiro longa metragem de terror. O primeiro foi Der Student von Prag de 1913, filme que INSPIROU o Gabinete do Dr. Caligari.

    • Mais uma vez, obrigado pelo toque Papa. Já corrigi também meu texto com sua informação.

      Sem palavras para agradecer a ajuda prestada.

      Abs

      Marcos

      • Papa Emeritus disse:

        De nada. O Gabinete do Dr. Caligari continua sendo sim o filme mais importante pro terror, foi praticamente a inspiração pros filmes que vieram depois. Só dei o toque porque Der Student von Prag (1913) merece a citação como primeiro longa metragem do gênero. Foi um filme que inspirou não só o filme de Robert Wiene como todo o movimento expressionista alemão. Inclusive um dos diretores de Der Student von Prag é Paul Wegener, o Golem do filme de 1920. Tipo, Der Student von Prag não é nenhum filmaço, acho ele um bom filme e nada mais, mas seria injustiça não cita-lo.

        Abraços e continue com o ótimo trabalho do site.

  12. Lucas Maia disse:

    droga man to querendo tanto começar essa lista so que o arquivo do utorrent parece que ta quebrado :/

  13. Bruno Martins disse:

    Link quebrado 🙁

  14. […] legal para se reparar é a brutal diferença em relação ao O Gabinete do Dr. Caligari do mesmo ano, por exemplo, muito mais modesto, por assim dizer, porém mais dinâmico e soturno. […]

  15. […] a música faça referência a Drácula, na capa do single quem aparece é o personagem Cesare do Gabinete do Dr. Caligari. Para quem gosta de um som mais pesado, vale a pena conferir a versão que a Sepultura fez da […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *