Bzzzzzzzzzzzzz

121 – O Monstro de Mil Olhos (1959)

return_of_fly_poster_01


Return of the Fly


1959 / EUA / P&B / 80 min / Direção: Edward L. Bernds / Roteiro: Edward L. Bernds (baseado no conto de George Langelaan) / Produção: Bernard Glasser / Elenco: Vincent Price, Brett Halsey, David Frankjam, John Stutton, Dan Seymour, Danielle De Metz


 

Considero O Monstro de Mil Olhos um filme menosprezado. Fracasso retumbante de bilheteria, essa continuação de A Mosca da Cabeça Branca, que traz novamente Vincent Price no elenco, não chega a ser indispensável, mas eu gostei mesmo do filme e principalmente da maquiagem da cabeçona de mosca do monstro, mais bem feita do que o filme original, por exemplo.

O grande problema, opinião até compartilhada por Price em entrevista dada em 1988, é que o que fez o filme não ser tão bem aceito quanto seu predecessor, foi o fato dele ter sido filmado em preto e branco, exigência da 20th Century Fox, sendo que A Mosca da Cabeça Branca era todo cores vivas em Technicolor. Além de que o desfecho do original é completamente pessimista e o deste aqui é uma porcaria de um final feliz.

Um parágrafo a parte para o título do filme. Sabemos que a cultura no nosso país é dar o título mais mercadológico possível para as produções que chegam ao cinema (e mais tarde em VHS, DVD, Blu-Ray, VOD, e por aí vai). Mas O Monstro de Mil Olhos???? Custava ser O Retorno da Mosca? Assim como o original, precisava se chamar A Mosca da Cabeça Branca, ao invés de simplesmente A Mosca?

Mas enfim, devaneios a parte, a história se passa 15 anos após os trágicos acontecimentos quando a experiência de teletransporte de Andre Delambre deu miseravelmente errado e ele se transformou em duas criaturas mutantes distintas: um homem com cabeça e pata de mosca e uma mosca com cabeça (branca) de homem. Agora, seu filho crescido, Phillipe (Brett Halsey), após a morte de sua mãe, resolve retomar as experiências do pai e reconstruir a máquina capaz de desintegrar e reintegrar matéria.

Bzzzzzzzzzzzzz

Bzzzzzzzzzzzzz

Claro que seu tio e tutor, François, papel reprisado por Vincent Price (detalhe que o garotinho do filme anterior se torna um jovem adulto e o personagem de Price não envelhece sequer uma ruga) é completamente contra a ideia, devido à tragédia que se abateu com a família durante todos esses anos. Mas Phillipe não dá a menor bola a continua o projeto, mudando-se para a antiga casa de seu avô com seu assistente Alan Hines, onde pretende reconstruir a máquina no porão.

Porém quando a grana começa a ficar curta e ele precisa do financiamento do tio e do dinheiro das empresas, ele chantageia François ameaçando vender sua parte na companhia o qual é sócio, herdada de seu pai, fazendo com que não sobre alternativas para o tio a não ser continuar investindo no experimento, até como forma de se manter próximo de Phillipe e evitar que algum acidente parecido aconteça. Um dos testes para constatar a confiabilidade da máquina, é colocar um porquinho da índia no teletransportador e armazená-lo por um tempo no limbo, decidindo trazê-lo de volta apenas no dia seguinte. E Hines, solicitamente oferece todo seu auxílio e trabalha de graça para Phillipe.

Mas como quando a esmola é muita, o santo desconfia, Hines se mostra na verdade um espião industrial usando um nome falso. Seu verdadeiro nome é Ronald “Roonie” Holmes, fugitivo da polícia britânica, que fecha um acordo escuso com Max, um sujeito meio gângster e meio dono de uma funerária (???!!!), para que ele venda os esquemas e diagramas da invenção revolucionária para importantes companhias, traindo Phillipe e ganhando uma bolada com isso.

Seu pai era um mosca morta!

Seu pai era um mosca morta!

Certa noite, enquanto Hines (ou Holmes) está fotografando os diagramas da máquina de teletransporte, um detetive inglês que finalmente encontrou seu paradeiro entra no laboratório às escondidas e dá voz de prisão ao escroque, que não se rende e enfia o detetive dentro do teletransportador, trazendo-o de volta na sequência junto com o porquinho da índia desmaterializado anteriormente. A fusão celular faz com que o homem ganhe as patas do roedor, e o bichinho braços humano. Após dar sumiço do corpo e do carro do detetive e sair para encontrar Max, a fim de lhe enviar provas para conseguir concretizar a venda secreta do experimento, ele volta e encontra Phillipe no laboratório questionando-o, quando em uma violenta briga, Hines (ou Holmes) também mete o antigo parceiro na máquina e por pura maldade, enfia uma mosca junto com ele.

Phillipe volta com a horrenda cabeça de uma mosca, assim como uma pata, tal qual aconteceu com seu pai, e o pequeno inseto ganha a cabeça do jovem cientista. Phillipemosca foge do laboratório e vai ao encontro de Max e Hines (ou Holmes…ah você já entendeu), matando ambos. Infelizmente a morte do salafrário é por um simples estrangulamento com a pata de mosca. Nada nojento como vomitar e derreter o vilão, como acontece em A Mosca de David Cronenberg. Lutando contra seus instintos e preservando o pouco que resta da consciência de Phillipe, a criatura volta até a casa, onde o Inspetor Beecham conseguiu aprisionar a Moscaphillipe em uma jarra, e François coloca os dois no teletransportador, para tentar reverter o processo. Daí o final babaca do filme (já deve imaginar o que acontece né?).

O Monstro de Mil Olhos parece mais do mesmo, mas não é um filme cansativo e você não tem aquela impressão de que perdeu seu tempo assistindo mais uma fraca sequência. Eu sinceramente gosto do filme, principalmente, como disse acima, da maquiagem de Phillipemosca com seu cabeção inseto, que chega a ser hilário e assustador ao mesmo tempo. Claro, nada comparado à maquiagem de Rob Bottin na refilmagem de 1986, mas é bastante interessante, pensando nos padrões do final da década de 50.

Cadê aquele cubo de açucar???

Cadê aquele cubo de açucar???



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] que se iniciou em 1958 com A Mosca da Cabeça Branca, e seguiu com sua sequência do ano seguinte, O Monstro de Mil Olhos. E acho que não teria uma forma mais deprimente de terminar a franquia, do que com esse filme […]

  2. […] a luz ao bebê) será então o protagonista nesta sequência (tal qual o filho de Andre Delambre em O Monstro de Mil Olhos, sequência do original A Mosca da Cabeça Branca, lá dos anos 50). Veronica morre no parto e o […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *