A cena mais assustadora da história do cinema, segundo pesquisa realizada na Inglaterra pela rede Blockbuster

136 – Psicose (1960)


Psycho


1960 / EUA / P&B / 109 min / Direção: Alfred Hitchcock / Roteiro: Joseph Stefano (baseado na obra de Robert Bloch) / Produção: Alfred Hitchcock (não creditado) / Elenco: Anthony Perkins, Janet Leigh, Vera Miles, John Gavin, Martin Balsam, John McIntire


A obra prima de Alfred Hitchcock. A cena mais assustadora da história do cinema segundo votações. Um ícone da sétima arte. A mais influente obra de suspense de todos os tempo. Psicose é uma coleção de adjetivos. Não há simplesmente mais nada que se possa falar sobre esse filme impecável, que impressiona gerações.

Hitchcock comprou os direitos do livro meia-boca de Robert Bloch por apenas 9 mil dólares e resolveu fazer um filme de baixo orçamento, mas com um roteiro arrebatador escrito por Joseph Stefano, dando aos espectadores algo que nenhuma produção havia feito até então (ALERTA DE SPOILER, se é que você nunca tenha assistido. Se não assistiu pare por aqui, pule os próximos dois parágrafos e sinta muita vergonha de ser você mesmo): matado a personagem principal antes de sua primeira metade!

A tal personagem é Marion Crane (interpretada por Janet Leigh), uma secretária imobiliária que vê em suas mãos uma bagatela de 40 mil dólares roubados de uma negociata entre um milionário e seu patrão, grana suficiente para fugir com o amante Sam Loomis (John Gavin) e começar uma nova vida. Após dirigir por quase um dia e meio, sem antes passar por dois momentos de pura tensão, quando acredita ter sido vista fugindo pelo chefe e o ricaço e quando ela tenta comprar um novo carro em uma concessionária, levantando uma atitude suspeita tanto para o dono quanto para o policial que está de olho nela desde a estrada, Marion decide parar para dormir e com toda sorte do mundo, se hospeda no Motel Bates.

Grite, grite outra vez!

Quem atende Marion é Norman Bates (Anthony Perkins, eternamente espetacular), sujeito estranho e solitário, camufladamente homossexual, que tem a taxidermia como hobby e mora com a controladora mãe doente em um casarão próximo ao estabelecimento, que não quer que ele se envolva com nenhuma mulher “suja”, como ela mesmo define. Arrependida e decidida a voltar com o dinheiro, Marion resolve tomar um banho (para se purificar), que seria o último da sua vida, já que é assassinada na famosa cena do chuveiro, com seus 70 planos, edição magnífica, trilha sonora impactante de Bernard Hermann e horror subentendido, já que não se vê uma vez sequer a faca acertando o corpo da vítima. Loomis, a irmã de Marion, Lila (Vera Miles), e um detetive particular, Milton Arbogast (Martin Balsam), vão investigar o desaparecimento da garota e se deparam com o segundo grande choque do filme: o assassino é na verdade o próprio Norman, maluco de pedra, psicopata esquizofrênico, travestido como sua mãe, que na verdade já estava morta há tempos, com o cadáver jazendo na própria casa sentado em uma cadeira de balanço.

Norman Bates faz parte da tríade imortal do cinema inspirada pelo serial killer americano Ed Gein, junto com Leatherface de O Massacre da Serra Elétrica e Buffalo Bill, o a assassino de O Silêncio dos Inocentes. E um detalhe curioso é que Hitchcock decidiu fazer o filme em preto e branco, porque acreditava que em cores ele ficaria muito violento. E na cena do chuveiro, o sangue que escorre pelo ralo é na verdade calda de chocolate, usado para dar aquela consistência.

Psicose é dos filmes mais injustiçados do Oscar®, já que a Academia sempre foi coxinha e renegou os filmes de terror. Recebeu quatro indicações: melhor atriz coadjuvante para Janet Leigh, melhor direção de arte, melhor direção de fotografia e melhor diretor para Hitchcock, e não levou nenhuma estatueta. Leigh ainda faturou o Globo de Ouro de melhor atriz coadjuvante. Dica do blogueiro: Assista ao recente filme Hitchcock, com Anthony Hopkins no papel do excêntrico diretor inglês, que traz os bastidores das filmagens e as dificuldades para realização do filme.

Psicose gerou três continuações sofríveis (uma feita direto para a TV) e um remake dirigido por Gus Van Sant, tão sofrível quanto (que eu vi no cinema quando era adolescente) que apenas resolveu refilmar o original quadro por quadro, só que em cores. Bom, Vince Vaughn fez o papel do Norman Bates. Vince Vaughn!!!! Isso já diz tudo!!! Além disso atualmente está no ar a dispensável série Bates Motel no canal A&E americano, que traz Norman na adolescência (interpretado por Freddie Highmore – muito bem por sinal, incorporando os trejeitos que Perkins deu ao personagem – o Charlie de A Fantástica Fábrica de Chocolate de Tim Burton, que já tem 17 anos e você percebe como está ficando velho!!!!) e com Vera Farmiga interpretando a posessiva e dominadora Sra. Bates.

A singela história do rapaz que morava com sua mãe!



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] na história real do famoso serial-killer Ed Gein (que também inspirou Psicose e O Silêncio dos Inocentes), o filme já começa fazendo questão de deixar bem claro para o […]

  2. […] Argente é o Alfred Hitchcock italiano, podemos então afirmar que Prelúdio para Matar é o seu Psicose. Considerado por muitos sua obra-prima, foi o filme que catapultou o jovem diretor ao estrelato em […]

  3. […] que Jamie Lee Curtis, em seu deu debute no cinema, é filha de Janet Leigh, a Marion Craine de Psicose. Os nomes de alguns personagens do filme também são abertamente inspirados em Hitchcok, como Tom […]

  4. […] os Voorhees estão à espreita (kill, kill, kill, die, die, die) ou na quase cópia da música de Psicose que surge quando eles estão praticando o ataque. Detalhe que coloquei no plural pois a trilha […]

  5. […] Detalhe para a trilha sonora da cena de abertura (que é fantástica, mostrando desenhos de estudos do corpo humano em cores fluorescentes como verde, roxo e laranja), que é uma homenagem, ou cópia descarada se preferir, da trilha de Bernard Hermann para Psicose. […]

  6. […] da vida real Ed Gein, que também emprestou sua insanidade e crimes hediondos para Norman Bates em Psicose e Leatherface em O Massacre da Serra Elétrica. Aqui, Bill é um afetado transexual que rapta suas […]

  7. rocky disse:

    Após ter visto o filme montado, Janet Leigh nunca mais tomou banho com cortina ou box fechados, Nem eu…

    • Alana De Carvalho disse:

      kkkkkkkk Uma das cenas mais famosas do cinema! Cena inovadora decorrente do fato já citado da aparente protagonista morrer assim, de forma tão inesperada. Psicose está em praticamente todas as listas dos melhores filmes de Terror/ Suspense.

  8. […] que fugiam do convencional no início dos anos 60 como Os Olhos sem Rosto de Geroges Franju, Psicose de Hitchcock e A Tortura do Medo de Michael […]

  9. […] e a sombra de Redi ao fundo, lembrando muito, mas muito mesmo, a clássica cena do chuveiro de Psicose (lançado quase vinte anos depois). Outra é quando nos é apresentada a ordem dos Palladi, um […]

  10. […] atingiu de assalto o mundo do cinema, no mesmo ano em que outras produções transgressoras como Psicose de Alfred Hitchcock e Os Olhos sem Rosto de Georges Franju desequilibravam o status quo dos filmes […]

  11. […] Prather, uma mistura de surrealismo com expressionismo alemão, além de claras inspirações em Psicose de Hitchcock, e a excelentes recursos de câmera e ângulos inventivos do diretor, que driblaram […]

  12. […] e Drácula de Bram Stoker, começou sua carreira dirigindo um filme B, preto e branco, plágio de Psicose, sob a batuta de Roger Corman, quem […]

  13. […] trazendo uma história de suspense repleta de machadadas, com roteiro de Robert Bloch, autor de Psicose e a veterana Joan Crawford como protagonista, logo após ter a carreira resgatada da decadência em […]

  14. […] na história real do famoso serial-killer Ed Gein (que também inspirou Psicose e O Silêncio dos Inocentes), o filme já começa fazendo questão de deixar bem claro para o […]

  15. […] mais, digamos, violento ou contestador naquela época, tomava um pau da crítica e público, como Psicose de Alfred Hitchcock, A Tortura do Medo de Michael Powell ou Os Olhos sem Rosto de Georges […]

  16. […] de Psicose, lançado no ano de 1960, ter chocado as plateias do mundo todo deixando de lado a ideia do terror […]

  17. […] bem fraquinho. Seus quatro contos, escritos por Robert Bloch, mesmo autor do livro que deu origem a Psicose, de Alfred Hitchcock, são dispensáveis, com histórias bem fraquinhas, que valem mais mesmo por […]

  18. […] Detalhe para a trilha sonora da cena de abertura (que é fantástica, mostrando desenhos de estudos do corpo humano em cores fluorescentes como verde, roxo e laranja), que é uma homenagem, ou cópia descarada se preferir, da trilha de Bernard Hermann para Psicose. […]

  19. Sofia disse:

    Não estou conseguindo baixar, diz que está indisponivel, por favor me ajude, quero muito ver

  20. Sofia disse:

    obrigadaaaaaa

  21. […] por Robert Bloch (mesmo autor de Psicose) e dirigido por Peter Duffell, A Casa que Pingava Sangue aposta no mesmo estilo de filme […]

  22. […] principal na primeira meia hora de filme, assim como Hitchcock já havia revolucionado em seu Psicose, algo completamente inusitado para os padrões do […]

  23. […] contemporâneo de Psicose e A Tortura do Medo, todos os três sofreram ataques devastadores da crítica na época de seu […]

  24. […] os Voorhees estão à espreita (kill, kill, kill, die, die, die) ou na quase cópia da música de Psicose que surge quando eles estão praticando o ataque. Detalhe que coloquei no plural pois a trilha […]

  25. […] de Hitchcock, ainda mais revisitando um gênero que ele já trabalhou antes com perfeição, como Psicose. Mas o roteiro com suas reviravoltas é bastante consistente e prende a atenção do espectador. […]

  26. […] Pois bem, depois de toda essa minha explicação histórica e científica, somos transportados para uma cidade interiorana no Arizona que está passando pelo mesmo problema dos australianos. O rancho de Cole Hillman (Rory Calhoun) está penando por conta de uma praga de coelhos, e não querendo apelar para o uso de venenos, que acabaria com sua plantação e gado, ele recorre a ajuda de um casal de cientistas, Roy Bennett (Stuart Whitman) e Gerry Bennet (Janet Leigh, sim a Marion Crane de Psicose). […]

  27. […] na história real do famoso serial-killer Ed Gein (que também inspirou Psicose e O Silêncio dos Inocentes), o filme já começa fazendo questão de deixar bem claro para o […]

  28. […] Rick Baker, famoso maquiador, ganhador do Oscar® por Um Lobisomem Americano em Londres quem criou o visual da criaturinha mutante, mas que é visto apenas em vislumbres, ao melhor estilo Hitchcock, para não cair no escracho. Outro recurso técnico interessantíssimo é a visão desfocada quando somos transportados para o ponto de vista do monstro. E falando em Hitchcock, há de se destacar a presença de Bernard Hermann conduzindo a trilha sonora, veterano e monstro sagrado (no bom sentido), que tem entre um dos seus principais tema, a música de Psicose. […]

  29. […] Argento é o Alfred Hitchcock italiano, podemos então afirmar que Prelúdio para Matar é o seu Psicose. Considerado por muitos sua obra-prima, foi o filme que catapultou o jovem diretor ao estrelato em […]

  30. […] e a sombra de Redi ao fundo, lembrando muito, mas muito mesmo, a clássica cena do chuveiro de Psicose (lançado quase vinte anos depois). Outra é quando nos é apresentada a ordem dos Palladi, um […]

  31. […] que remete descaradamente ao Grand Guignol, e que depois reverberaria em clássicos como o próprio Psicose de Alfred Hitchcock, A Tortura do Medo de Michael Powell e Os Olhos Sem Rosto de Georges Franju, […]

  32. […] uma interessante comparação entre a linha narrativa de Horror Hotel e Psicose, de Alfred Hitchcok, sendo que ambos foram lançados no mesmo ano. Lançados em setembro e junho de […]

  33. […] de obras do mestre do suspense como Festim Diabólico, Um Corpo que Cai, Janela Indiscreta e Psicose, Irmãs Diabólicas passa longe de uma simples cópia ou mera homenagem, imprimindo toda a […]

  34. […] da vida real Ed Gein, que também emprestou sua insanidade e crimes hediondos para Norman Bates em Psicose e Leatherface em O Massacre da Serra Elétrica. Aqui, Bill é um afetado transexual que rapta suas […]

  35. […] que Jamie Lee Curtis, em seu deu debute no cinema, é filha de Janet Leigh, a Marion Craine de Psicose. Os nomes de alguns personagens do filme também são abertamente inspirados em Hitchcok, como Tom […]

  36. […] após assassinar sua mãe e seu amante, logo no início do filme, em uma clara referência a Psicose de Alfred Hitchcock, inspiração maior de Franklin. Transtornado e emputecido com a fornicação […]

  37. […] assustadoras que qualquer monstro, zumbi ou vampiro por aí, repetindo o preceito de filmes como Psicose ou O Massacre da Serra […]

  38. […] pela organização das festividades, Kathy Williams (Janet Leigh, a eterna Marion Crane de Psicose e mãe de Jamie Lee Curtis) e claro, o padre Malone, peça fundamental para o desenrolar final da […]

  39. […] influenciado por Psicose, mas com o toque pessoal e irrefutável de De Palma na direção (com seus planos sequência, […]

  40. […] influenciado por Psicose, mas com o toque pessoal e irrefutável de De Palma na direção (com seus planos sequência, […]

  41. […] Logo seu começo já é uma mistura de Halloween – A Noite do Terror, de John Carpenter e Psicose de Alfred Hitchcock, em uma cena em que um garoto veste uma máscara e ataca sua irmã peladinha […]

  42. […] que inspirou personagens de três dos mais importantes filmes de terror de todos os tempos: Psicose, O Massacre da Serra Elétrica e O Silêncio dos Inocentes. A vida de Ed Gein é quem inspira o […]

  43. […] de um dos episódios de sua famosa série Alfred Hitchcock Apresenta. Além disso, a tema de Psicose de Bernard Hermann é chupinada, assim como aconteceu com O Iluminado. Continuando a tonelada de […]

  44. […] da vida real Ed Gein, que também emprestou sua insanidade e crimes hediondos para Norman Bates em Psicose e Leatherface em O Massacre da Serra Elétrica. Aqui, Bill é um afetado transexual que rapta suas […]

  45. […] tenta matar a esposa asfixiada e depois jogar o carro dentro do rio (em uma claríssima homenagem a Psicose) para incriminar o amante. Entra em cena a também psicóloga Dra. Waldheim (Frances Sternhagen) […]

  46. […] e que pode ser considerada uma homenagem ou cópia descarada da trilha de Bernard Hermann para Psicose. E tanto Combs quanto Gale carregam as atuações com a sordidez e demência necessárias no […]

  47. […] O Filho de Chucky é demais! Filmado em POV, pelo ponto de vista de Glen/Glenda, que remete tanto a Psicose, na cena do chuveiro, quanto, e principalmente, Halloween – A Noite do Terror de John Carpenter. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *