A usurpadora!

153 – O Que Terá Acontecido com Baby Jane? (1962)

Poster - Whatever Happened to Baby Jane_01


What Ever Happened to Baby Jane?


1962 / EUA / P&B / 134 min / Direção: Robert Aldrich / Roteiro: Lukas Heller (baseado na obra de Henry Farrell) / Produção: Robert Aldrich, Kenneth Hyman (Produtor Executivo) / Elenco: Bette Davis, Joan Crawford, Victor Buono, Wesley Addy, Ann Barton


Quando mundos colidem é uma expressão que posso utilizar como metáfora para O Que Terá Acontecido com Baby Jane? Afinal, duas estrelas da magnitude de Bette Davis (e seus olhos…) e Joan Crawford, decadentes (nesta ficção e na vida real) que se detestam e vivem se degladiando (nesta ficção e na vida real), atuando em um thriller psicológico diabólico, é um verdadeiro deleite para qualquer fã de cinema.

Dirigido por Robert Aldrich, baseado no livro e Henry Farrell, a trama atualíssima de ódio fraternal, ciúmes, obsessão e psicose ecoa pelo tempo, em um filme agarrado (quase que literalmente) com unhas e dentes pelas duas atrizes que em seu tempo, eram simplesmente as melhores das melhores da era de ouro de Hollywood (com três Oscars® na mala delas, dois para Davis e um para Crawford). Mas que estavam em momento de franca decadência.

E o que mais impulsiona estas duas atuações viscerais é o fato de as duas se detestarem na vida real, e serem inimigas assumidas. Ainda assim, Aldrich obteve a imortal proeza de conseguir trabalhar com as duas e conseguir canalizar esse ódio para transparecerem no papel das irmãs Hudson, cada uma com sua tragédia pessoal de vida, confinadas em uma mansão em Hollywood vivendo uma desesperada situação limítrofe de angústia.

A usurpadora!

A usurpadora!

Davis está sinistra, com uma maquiagem pesada e trejeitos diabólicos como “Baby” Jane Hudson, atriz mirim ao melhor estilo Shirley Temple (ou a menina Maísa se você quiser abrasileirar a coisa) que fazia muito sucesso no show business e era foco de todos os holofotes, tendo até sua bizarra boneca em tamanho natural. Sua irmã, Blanche era menosprezada pelo pai e pela irmã, até que com o passar dos anos, a aura de encanto da pequena Baby Jane foi desaparecendo, assim como seu estrelato, enquanto Blanche, uma Crawford contida, vaidosa, humilhada, incapaz e de dar pena, começou a ascender ao status de estrela de Hollywood. Isso não faria nem um pouco bem para a relação das duas.

O ponto de virada que vai culminar nos horrores da trama é quando após uma festa, um trágico acidente de carro se sucede, onde Jane acaba sendo culpada por atropelar Blanche, aleijando-a e colocando-a em uma cadeira de rodas pelo resto da vida, e obrigando-a cuidar da irmã inválida por todos estes longos anos. Com suas carreiras destruídas, ambas as velhas solteironas vivem em um eco infinito do passado: Blanche se vendo nas reprises da televisão, o que emputece Jane, e a irmã mais velha cada vez mais psicótica, buscando retomar sua carreira, cantando seu one hit wonder: “I’ve Written a Letter to Dady” (vale muito a cena onde Davis recria de forma bizarra seu número infantil).

Um espiral de tortura psicológica e abuso estoura com Jane perdendo o controle cada vez mais, mantendo a irmã em cárcere privado em seu quarto, falsificando sua assinatura para sacar dinheiro para gastar em figurino e nos preparativos de sua almejada volta aos palcos, mentindo para vizinhos, médico e polícia e servindo a ela um rato de jantar em uma bandeja de prata (na melhor cena do filme, com Davis rindo histericamente e Crawford gritando de horror). Isso culmina na completa perda das faculdades mentais de Jane, agredindo a irmã com chutes violentíssimos, amarrando-a na cama e deixando-a à própria sorte, até a cena final de seu “sequestro” e a chocante e comovente revelação que se desenrola nas areias da praia.

nnonononnon

Velhas megeras

E ainda há três figurantes que merecem esse parágrafo: Edwin Flagg, vivido por Victor Buono, o gordão oportunista que quer se aproveitar da pobre e desequilibrada Jane, acompanhando-a no piano em sua “futura” apresentação e arrumando um jeito de pegar a grana da velha, adiantado, claro (e que foi indicado ao Oscar® de melhor ator coadjuvante); sua mãe Dehlia, que aparece pouco em cena, mas vale os minutos em que fica aos berros com o filho ao melhor exemplo de família disfuncional; e a descuidada empregada das Hudson, Elvira Stitt (Maidie Norman), cujo destino vai torna-la vítima da explosão da violência assassina contida de Baby Jane.

Tratando-se do temperamento das duas estrelas e do histórico da disputa das duas fora das telas, O Que Terá Acontecido com Baby Jane? é um prato cheio para as mais extravagantes histórias de bastidores e todas as lendas urbanas que fizeram parte da mitologia do “por trás das câmeras” desta produção. Entre elas as mais famosas são a de que na cena em que Jane chuta violentamente Blanche, Crawford teve medo de participar da cena e um bonecão (extremamente perceptível) foi colocado em seu lugar, e Davis não poupou esforço em chutá-la como se fosse cobrar um tiro de meta, observada por uma atônita Joan Crawford, e quando a mesma tentou dificultar a vida de Bette Davis na cena em plano sequência em que ela deveria arrastá-la pela sala, colocando pesos nos bolsos e tossindo em uma das tomadas para ter de ser rodada de novo. Coisa de duas velhas megeras, como se pode ver. E vale lembrar que o caldo só azedou mais ainda quando Davis foi indicada ao Oscar® por este filme, e Crawford, ignorada. Mas na noite da premiação, Crawford acabou subindo ao palco para receber a estatueta no lugar de Anne Bancroft, que não pode estar presente na cerimônia, pois tinha combinado previamente com todas as outras atrizes, somente para causar mais intriga com Davis.

É importante ressaltar também O Que Terá Acontecido com Baby Jane? devido ao seu imenso sucesso de público e crítica, tornou-se um filme gênese de um subgênero do terror muito comum durante os anos 60, chamado de “psycho-biddy”, ou “hag horror”. Estes filmes traziam sempre uma atriz mais velha como protagonistas, passando por surtos psicóticos ou vítima de um grande mal ou perigo iminente, que serviu como retomada para algumas dessas grandes atrizes de outrora, fazendo com que voltassem a encontrar papeis no cinema, desta vez nestas produções de baixo orçamento de terror e suspense. Entre os mais populares filmes deste gênero estão: Almas Mortas, de William Castle, com a própria Joan Crawford, A Dama Enjaulada, com Olivia de Havilland e Com a Maldade na Alma, também dirigido por Robert Aldrich, este com Bette Davis no elenco.

She's got Bette Davis eyes

She’s got Bette Davis eyes



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Almas Mortas (péssimo título em português!!!!) é o psycho-biddy de William Castle, trazendo uma história de suspense repleta de machadadas, com roteiro de Robert Bloch, autor de Psicose e a veterana Joan Crawford como protagonista, logo após ter a carreira resgatada da decadência em outro thriller: O Que Terá Acontecido a Baby Jane? […]

  2. […] o sucesso de público e crítica de O Que Terá Acontecido com Baby Jane?, Robert Aldrich tentou mais uma vez repetir a mesma fórmula, trazendo novamente as desafetas […]

  3. […] O Que Terá Acontecido com Baby Jane? ter ressuscitado a carreira de Bette Davis e Joan Crawford no cinema, todas essas velhas senhoras […]

  4. […] fez Lon Chaney perder a cabeça (e os braços!!!) em O Monstro do Circo e sua presença marcante em O Que Aconteceu com Baby Jane?, filme que ressuscitou sua carreira, assim como de sua nêmese, Bette Davis, e deu início a um […]

  5. […] dirigido por Curtis) e seu filho, David, que junto da tia Elizabeth (a estrela Bette Davis, de O Que Terá Acontecido com Baby Jane?) decidem passar o verão na alugada mansão dos irmãos Allardyce, Arnold (Burgess Meredith, de As […]

  6. […] há 20 anos, Vera (em uma relação que de bate pronto me lembrou de Bette Davis e Joan Crawford em O Que Terá Acontecido com Baby Jane?) . O detetive John Mackey (Plummer) quer por que quer colocá-la na cadeia, pois ainda acredita que […]

  7. Eliane disse:

    Sabia que tem um remake dos anos 90? Eu conhecia apenas o original. E hoje (19/12/15) em um abusca para assistir online acabei encontrando a versão nova e em cores. Me surpreendi.. mas prefiro o orginal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *