O Quinto Elemento?

216 – A Maldição do Altar Escarlate (1968)

3-curse_of_the_crimson_altar_poster_03

Curse of the Crimson Altar / The Crimson Altar / The Crimson Cult

1968 / Reino Unido / 89 min / Direção: Vernon Sewell / Roteiro: Mervyn Haisman, Henry Lincoln, Jerry Sohl (história) (baseado no conto de H.P. Lovecraft – não creditado) / Produção: Louis M. Heyward, Gerry Levy e Tony Tenser (Produtores Executivos) / Elenco: Boris Karloff, Christopher Lee, Mark Eden, Barbara Steele, Michael Gough

 

Um elenco estelar do cinema de horror define A Maldição do Altar Escarlate. Saca só: Boris Karloff, Christopher Lee, Barbara Steele e Michael Gough. É mole? Ah, e a história é livremente baseada em um conto de H.P. Lovecraft.

Os anos 60 foram um terreno fértil para as adaptações cinematográficas da obra de Edgar Allan Poe, principalmente durante o proeminente ciclo dirigido por Roger Corman. Outro escritor do fantástico, H.P. Lovecraft, também teve alguns de seus contos, de forma mais modesta, adaptados para a telona. Uma delas dirigida pelo próprio Corman, O Castelo Assombrado, com Vincent Price no elenco (mas que comercialmente foi enxertado nesse ciclo Poe e vendido como uma adaptação do escritor de Baltimore), baseado em O Caso de Charles Dexter Ward, e Morte para um Monstro, de Daniel Haller, adaptado de A Cor que Caiu do Céu, que também trazia Boris Karloff nos créditos.

A trama lisérgica, exagerada, clichê e desconexa de A Maldição do Altar Escarlate foi escrita por Mervyn Haisman e Henry Lincoln, baseado no conto Sonhos na Casa da Bruxa, que mais tarde seria novamente adaptado no interessante episódio de Sutart Gordon para a série Masters of Horror. Gordon por sinal foi um dos diretores que mais acertaram nas difíceis adaptações de Lovecraft para o cinema durante a década de 80, vide Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além. Além disso, os temas do longa são muito comuns ao cinema dos anos 60: bruxaria e seitas satânicas.

A década foi terreno fértil para diversos filmes do gênero, como A Máscara de Satã, Horror Hotel, A Filha de Satã, As Bodas de Satã (quanto filme com satã no título, não?) e O Bebê de Rosemary, entre outros. Tá bom para você? A Maldição do Altar Escarlate é simples, com todos os elementos característicos do gênero, que tem muito mais peso pela quantidade de figurinhas carimbadas do terror, do que por sua trama e originalidade em si. Lançado no Brasil pela extinta CIC Vídeo (lembra???) e na TV dublado pela Herbert Richards, este melancolicamente é o último filme de Boris Karloff lançado em vida, que aqui tadinho, já está bem velho, usando cadeira de rodas e com a saúde já bastante debilitada.

O Quinto Elemento?

O Quinto Elemento?

Robert Manning (Mark Eden) está em busca de seu irmão, Peter, desaparecido misteriosamente, visto pela última vez na cidade de Greymarsh, onde mandou uma carta em um papel timbrado da casa de Craxted Lodge. Ao chegar ao local tarde da noite, ele já cai em uma festa de arromba, quase uma orgia na verdade, ao melhor estilo espírito livre dos anos 60, com jovens dançando, bebendo, se drogando e fazendo amor. Lá ele conhece e se apaixonada pela atirada loira Eve (Virginia Wetherell), filha do dono da casa, Morley (Christopher Lee), que nega Peter ter estado em seu aposento. O solícito Morley oferece sua casa para Robert, enquanto continua sua busca pelo irmão pela cidade.

Porém Robert todas as noites começa a passar por estranhas experiências de pesadelos vívidos e alucinações pesadas, parecendo que tomou doses cavalares de ácido, incluindo participar de um ritual de bruxaria ministrado por Lavinia (Barbara Steele), uma bruxa verde secular que é ancestral dos Morley, e foi julgada e condenada há séculos. Quando o especialista no oculto, professor Marshe (derradeiro papel de Karloff), conta para Robert sobre os rituais sabáticos realizados no local, ele acaba desvendando os segredos desse culto, que acontece até os dias de hoje e tem Morley como sacerdote, que busca por vingança e sacrifícios para seus ritos macabros.

Uma curiosidade é que a casa usada como cenário do filme foi a Grim’s Dyke House, em Harrow Weald, Middlesex. Esta casa foi a propriedade de William S. Gilbert da dupla Gilbert & Sulivan, parceria entre o libertista e compositor da era teatral vitoriana, responsáveis pela realização de diversas óperas cômicas entre 1871 e 1896.

A Maldição do Altar Escarlate não traz absolutamente nada de novo, e chega a ser enfadonho na maior parte do tempo, exceto os momentos brilhantes de Karloff e Lee em cena, também uma boa ponta do mordomo meio pancada, Michael Gough, e algum suspense. As cenas surreais do sabá da irreconhecível Barbara Steele como bruxa, beiram o ridículo com toda sua lisergia e saturação de cores. Além de fugir muito da ideia original do conto de Lovecraft. Mas ainda assim, vale uma espiada sem muita expectativa

KARLOFF LEE 2

Lee vs armadilha de Jigsaw?

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Maldição do Altar Escarlate não foi lançado no Brasil.

Download: Filme + legenda (em três partes) aqui, aqui e aqui. Senha para descompactar: www. cinespacemonster. blogspot. com (sem os espaços)


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

10 Comentários

  1. Os Links já era! não está mais disponível =T

  2. Poxa Obrigadão ae!

    Abração!

    Me Salvou!

  3. Marcus Vinícius disse:

    Tem um filme de 1968 com o Karloff, “House of Evil”, que nem foi lançado no Brasil, eu acho, mas vale conferir pelo Karloff, e tem até bonecos assassinos pelo que eu sei. Se der uma olhada no IMDB e seu inglês de boa…

  4. sameck disse:

    alguem tem a legenda dele?

  5. Eduardo disse:

    Show Filme Muito Bom qualidade excelente !!! Esse diretor é bom demais e com este elenco Show de Terror !!!!!

  6. Antonio disse:

    os links não estão funcionando

  7. […] 9- A Maldição Do Altar Escarlate (1968) […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *