Eh, coisinha linda!

238 – O Abominável Dr. Phibes (1971)

The Abominable Dr. Phibes

1971 / Reino Unido, EUA / 94 min / Direção: Robert Fuest / Roteiro: James Whiton, William Goldstein / Produção: Ronald S. Dunas, Louis M. Heyward, Samuel Z. Arkoff e James H. Nicholson (Produtores Executivos) / Elenco: Vincent Price, Joseph Cotten, Peter Jeffrey, Hugh Griffith

 

O Abominável Dr. Phibes é praticamente um dos últimos elos do cinema de terror com o que vinha sendo feito até então nas décadas passadas, principalmente com relação ao estilo imortalizado pela Hammer Films e por Roger Corman, antes do gênero entrar de cabeça no pessimismo dos anos 70, tornando-se de uma vez por todas hostil, cruel e sem esperança, graças a produções que estavam por vir nessa década.

Vincent Price encarna aqui o seu papel mais conhecido (talvez somente menos conhecido do que sua participação na música Thriller de Michael Jackson), como um dos mais icônicos vilões do cinema de horror. E não há outra pessoa no mundo que se encaixaria de forma tão perfeita na pele do Dr. Anton Phibes, músico profissional, educado em Heidelberg na Alemanha e doutor em teologia pela Sorbonne, que busca uma engenhosa vingança contra o corpo médico que considera responsável pela morte de sua esposa na mesa de operação.

Tudo no filme é exagerado e com um delicioso estilo camp, passando pelos mais variados tipos de absurdos, como: os métodos de vingança de Phibes, inspirados nas pragas bíblicas que caíram sobre o Egito, que vai desde gafanhotos, a ratos, morcegos e um unicórnio de bronze lançado através de uma catapulta bem no meio das ruas de Londres (!!!???); o gramofone que Phibes usa para falar através de um dispositivo ligado diretamente em sua traqueia; Vulnávia, sua excêntrica e solicita comparsa; a banda de bonecos de corda de tamanho natural que anima seu covil em art-deco; e claro, os inspetores da Scotland Yard que investigam o caso, que mais lembram personagens de um quadro do Monty Python. Isso regado as sessões de órgão onde Phibes executa “War March of the Priests” de Felix Mendelsohn.

Bob Dylan?

Inclusive a última vingança que recai sobre o Dr. Vesalius, chefe da equipe de operação, é digna da franquia Jogos Mortais, onde ele tem seis minutos para retirar uma chave colocada dentro do corpo de seu filho mais velho (alusão a maldição do primogênito), antes que uma traquitana derrube ácido em seu rosto, e ele fique deformado para sempre, como aconteceu com o louco músico / cientista após um acidente de carro. E a maquiagem da face deformada de Phibes lembra muito O Fantasma da Ópera de Lon Chaney (fora as outras homenagens óbvias, como o sofrimento do personagem recluso e sua aptidão em tocar órgão).

Price, mais uma vez, exuberante, excêntrico, repleto de cacoetes teatrais em sua atuação. Para ganhar ainda mais publicidade em cima da fita, foi vendido como o centésimo filme do ator. E olhem só, Peter Cushing foi originalmente cotado para o papel do Dr. Vesalius, nêmese de Phibes, mas teve de recusar por conta de problemas de saúde de sua esposa na época das filmagens. Imagine só como seria esse embate entre dois monstros icônicos do cinema de horror? Outro detalhe é que Robert Fuest, o diretor do filme reescreveu grande parte do roteiro, onde Phibes originalmente era mais tirano e abusivo com sua capanga, Vulnavia, tornando-o um personagem mais simpático, efetuando também drásticas mudanças no final do filme e outras demais cenas.

O Abominável Dr. Phibes é diversão pura do começo ao fim, com um clima bastante diferente do que vamos ver daqui para frente, quando o cinema de terror adquire um outro aspecto muito mais sádico e brutal. O sucesso foi tão grande que ganhou uma continuação no ano seguinte: A Câmara de Horrores do Dr. Phibes

Eh, coisinha linda!

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de O Abominável Dr. Phibes aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

10 Comentários

  1. […] quando eu falei no post anterior que O Abominável Dr. Phibes era o último exemplar de terror “inocente” antes da coisa descarrilhar de vez? Pois bem, com […]

  2. Larissa disse:

    Links quebrados. 😡

  3. […] O famigerado, excêntrico e espalhafatoso Dr. Phibes está de volta. Vincent Price reencarna em um dos seus mais famosos vilões em A Câmara de Horrores do Dr. Phibes, personagem que deseja, de qualquer forma, trazer de volta à vida sua amada, Victoria, tirada de seus braços de forma prematura por conta de erros médicos, morte devidamente vingada no original O Abominável Dr. Phibes. […]

  4. Gustavo disse:

    Genial!! Parabéns pelo post.

  5. […] de vingança, para mim, particularmente, As Sete Máscaras da Morte é só uma cópia razoável de O Abominável Dr. Phibes. Mesmo maniqueísmo, quase a mesma motivação, mesmo status quo do personagem de Price, mesma […]

  6. Mauricio Zanti disse:

    Não se consegue acessar o torrent para baixar. Qual o segredo? Muito ruim este metodo.

  7. Felipe de Souza disse:

    Esse filme é sensacional! Assisti várias vezes. Muito bonito visualmente e impecável atuação de Vincent Price, papel muito caricato e marcante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *