Importante é manter a cabeça no lugar!

500 – Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos (1985)

Re-Animator

1985 / EUA / 95 min / Direção: Stuart Gordon / Roteiro: Dennis Paoli, William J. Norris, Stuart Gordon (baseado na obra de H.P. Lovecraft) / Produção: Brian Yuzna, Michael Avery, Charles Brand e Bruce William Curtis (Produtores Executivos), Bob Greenberg e Charles Donald Storey (Produtores Associados) / Elenco: Jeffrey Combs, Bruce Abbott, Barbara Crampton, David Gale

 

É extremamente difícil transportar as ideias do texto do escritor americano H.P. Lovecraft para as telas. A parceria entre o diretor Stuart Gordon e o produtor Brian Yuzna foi a que teve maior sucesso nesse quesito. E Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos é com certeza a melhor adaptação de Lovecraft ao cinema, mesmo sendo apenas vagamente baseado no conto original “Herber West – O Reanimador” (dá para baixar o PDF aqui).

Lançado de forma breve nos cinemas, já que em meados dos anos 80 o mercado exibidor já havia sido dominado pelos multiplex e as grindhouses e sessões da meia-noite haviam praticamente desaparecido, o sucesso de Re-Animator se fez exatamente no home video, graças a popularização do videocassete, presente já em quase todos os lares e dormitórios dos EUA. E indicou um caminho que seria uma tendência para o mercado de terror de baixo orçamento.

Claro que isso ao mesmo tempo que trouxe resultados positivos para a indústria, foi catastrófico para o cinema de horror, pois muito lixo começou a ser produzido e lançado direto em vídeo e a qualidade dos filmes de terror foi lá embaixo, quase extinguindo o gênero na década seguinte. Mas isso é uma história mais para frente.

Re-Animator pega a mesma fórmula criada por Sam Raimi em A Morte do Demônio e a mistura com a inspiração do cinema gore italiano para contar a história do Dr. Frankenstein moderno. Herbet West (interpretado pelo eterno ator Lovecraftiano Jeffrey Combs) é um jovem médico que desenvolve um soro verde fluorescente capaz de trazer os mortos à vida. Expulso da Suíça após a morte do proeminente Dr. Gruber (na primeira cena do filme que já logo mostra ao que veio), West vai parar na Universidade de Miskatonic, em Arkham (local recorrente da maioria das obras de Lovecraft), onde conhece o companheiro de estudos Dan Cain (vivido por Bruce Abbott, mais conhecido por interpretar o juiz Nicholas Marshal na série Justiça Cega, que fez sucesso aqui no Brasil nos anos 90, sendo exibida pela Rede Globo. Lembra?).

Líquido de glowstick!!!

Cain já é um sujeito mais normal que namora Meg, a filha do reitor Halsey. O professor de ambos é o Dr. Carl Hill, nêmese de West, que é acusado por ele de ser obsoleto e ter plagiado a obra de seu mentor, Gruber. Hill também desperta uma paixão platônica por Meg. Logo, West que começa a dividir a casa com Cain, o arrasta para o epicentro das suas experiências terríveis, até que uma delas, realizada no necrotério, dá desastrosamente errado e acaba matando o Dr. Halsey. Matando por alguns minutos na verdade, pois é injetado o reagente químico nele, que volta com um zumbi agressivo, efeito colateral em todos os ressuscitados.

Tudo isso é pano de fundo para muito, mas muito sangue e cenas escatológicas. E claro, o momento mais emblemático do filme, a originalíssima cena onde o Dr. Hill, após ter sua cabeça decepada por uma pá e ser reanimado, rapta a pobre Meg e faz sexo oral nela, segurando a cabeça com as mãos enquanto pratica a cunilíngua na mocinha!!! É simplesmente impagável! E ainda no final do filme, West e Dan precisam enfrentar uma horda de zumbis reanimados pelo Dr. Hill no necrotério.

Detalhe para a trilha sonora da cena de abertura (que é fantástica, mostrando desenhos de estudos do corpo humano em cores fluorescentes como verde, roxo e laranja), que é uma homenagem, ou cópia descarada se preferir, da trilha de Bernard Hermann para Psicose.

O sucesso desse clássico do Cine Trash foi tão grande que gerou duas continuações: A Noiva de Re-Animator, igualmente divertido, e Re-Animator – Fase Terminal, que é uma bomba. Stuart Gordon e Brian Yuzna ainda foram responsáveis por mais duas transposições de Lovecraft ao cinema: o ótimo Do Além, que traz novamente Combs no papel principal e Dagon, lançado em 2002. Gordon ainda dirigiu um episódio do seriado Masters of Horror, chamado Sonhos na Casa da Bruxa, também baseado na obra do rei do indizível.

O importante é manter a cabeça no lugar!

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos:

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

28 Comentários

  1. […] dos filmes de terror, dando vida a alguns uns bons exemplares, como o próprio A Morte do Demônio, Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos e A Volta dos Mortos Vivos. E o que há em comum em todas as produções do splastick é a noção […]

  2. […] Animal é o auge do cinema splatstick. Por mais que filmes anteriores como Uma Noite Alucinante, Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e A Volta dos Mortos-Vivos tenham se esforçado, Peter Jackson aqui chuta o balde e leva esse […]

  3. […] para o trash, como muitas vezes aconteceu. E de todos os filmes que eu já assisti, até mesmo Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, À Beira da Loucura de John Carpenter é o que mais se aproxima do texto do […]

  4. […] ele finca a cabeça em uma bandeja, ao melhor estilo Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos, e através de um soro especial que desenvolveu, consegue manter a cabeça com vida pelas próximas […]

  5. […] famosíssimo principalmente por conta de clássicos vindouros como A Volta dos Mortos-Vivos, Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, Fome Animal e até os mais recentes Todo Mundo Quase Morto e […]

  6. Giovani disse:

    Muito bom cara sensacional, grandes perolas trash aqui, valeu mesmo m/

  7. Nicholas Marshal era cego???? Acho que tu se confundiu com o Demolidor, personagem da Marvel, que é cego e advogado. Hahaha.

  8. Andrigo Mota disse:

    Pra mim se eu pudesse fazer um top “faive”
    1-Evil Dead
    2-Fome Animal
    3-O enigma de outro mundo do carpenter
    4-Re-Animator
    5-Varios…ahaha empate

    De boa, esse ai eu nunca vou me esquecer do final enigmatico….fudido de baum esse ai

  9. […] de eu ser um PUTA fã do filme. Antes de descobrir a literatura de Lovecraft, ou antes mesmo de ver Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos (esse foi na Band, antes ainda da exibição no Cine Trash) eu me amarrava naquele filme mesmo sem […]

  10. […] produzindo o clássico Armadilha Para Turistas e daí pra frente nos brindou com pérolas como Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, Do Além, Ghoulies, Monster – A Ressurreição do Mal, Bonecos da Morte, O Monstro Canibal e […]

  11. […] porque os dois filmes anteriores que envolvem esses três nomes foram nada mais nada menos que Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além, coincidentemente duas adaptações da obra de H.P. Lovecraft, e que são dois dos […]

  12. […] dos filmes de terror, dando vida a alguns uns bons exemplares, como o próprio A Morte do Demônio, Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos e A Volta dos Mortos Vivos e os longas de Peter Jackson futuramente em seu início de carreira. E […]

  13. […] eternidade), fazendo sessões de terror noite adentro. Lembro que na época nessa brincadeira revi Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, O Despertar dos Mortos, Demons – Filhos das Trevas, O Expresso do Horror, A Volta dos […]

  14. […] o filipino Yuzna como você deve bem saber (assim espero) foi o produtor de Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além, ambos para a Empire Pictures de Charles Band, dirigidos por Stuart Gordon e baseados na […]

  15. […] Noiva de Re-Animator é igualmente divertido como seu antecessor, Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos, muito pelo fato de trazer novamente para as telas toda a patota do original, exceto pelo diretor, […]

  16. sandro disse:

    esse eu vi no cinema , tinham umas 10 pessoas na sala, lembrança macabra, mais nem um barrou a mosca que eu vi no cinema época de carnaval, domingo a noite ,, tinham só 3 pessoas na sala

  17. […] de criaturas pré-diluvianas terríveis que habitam nosso planeta (foi o produtor dos clássicos Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do […]

  18. […] sadomasoquismo. Esse é A Volta dos Mortos-Vivos 3 dirigida por Brian Yuzna, conhecido por produzir Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos (e dirigir a continuação, A Noiva de Re-Animator) e Do Além, baseado na obra de H.P. Lovecraft e […]

  19. […] por dois dos maiores clássicos de terror dos anos 80 extraídos das páginas do Rei do Indizível: Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além. A única diferença é que este não tem a produção de Brian Yuzna, outro expert no […]

  20. […] jogo rápido, o que O Dentista tem a ver com Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além, clássicos dos 80’s baseados nos contos de H.P. Lovecraft? Três nomes mágicos: o […]

  21. […] de todos dá um show. Jackson ficou feliz em tê-lo conseguido no elenco, uma vez que era fã de Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, que certeza, junto com A Morte do Demônio, o influenciara na sua trajetória cinematográfica […]

  22. […] também como o filme é subestimado, a até menosprezado, sem o hype por trás de Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além, mas que em certos aspectos quanto adaptação da obra do Rei do Indizível e sobriedade […]

  23. […] vinte anos depois do clássico absoluto, Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos eis que Brian Yuzna, produtor do longa original (que como vocês bem devem saber – espero […]

  24. […] 9) “Quem irá acreditar em uma cabeça falante? Vá arrumar um emprego em um circo” – Dr. Herbert West – Re-Animator – A Hora dos Mortos Vivos […]

  25. […] 4) Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos (1985) […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *