Duas caras

587 – Violência e Terror (1989)

  interviews_scott_spiegel_13

Intruder

1989 / EUA / 83 min / Direção: Scott Spiegel / Roteiro: Scott Spiegel / Produção: Lawrence Bender; Douglas Scott-Hessler (Coprodutor); Charles Band (Produtor Executivo – não creditado) / Elenco: Elisabeth Cox, Renée Estevez, Dan Hicks, David Byrnes, Sam Raimi, Eugene Robert Glazer, Ted Raimi, Bruce Campbell

Violência e Terror (sério, que diabo de título é esse que ele ganhou no Brasil, ao invés de um simples “Intruso” que seria a tradução literal?) poderia ser apenas mais um filme slasher dos anos 80, igual a zilhões de tantos outros lançados naquela década, e cair no esquecimento total do fã do horror, se não fosse um pequeno detalhe: ele é todo realizado pela patota de A Morte do Demônio.

Aquela turminha da pesada que se conhece desde o colegial e cresceram juntos fazendo curtas metragens em uma câmera Super 8 nos subúrbios de Michigan, responsáveis por um dos mais emblemáticos e importantes filmes de terror de todos os tempos se uniu aqui para dar sua pequena e interessante contribuição ao subgênero. Estou falando de Scott Spiegel, Sam Raimi, seu irmão Ted Raimi e Bruce Campbell.

Spiegel é o diretor e roteirista de Violência e Terror, que infelizmente ficou de fora da realização de A Morte do Demônio (mas o personagem Scott ganhou esse nome em homenagem ao mesmo), mas escreveu Uma Noite Alucinante. Sam Raimi, muito mais acostumado a estar do outro lado das câmeras, faz o papel do açougueiro Randy e seu irmão, Ted (o rei das pontas!) faz Joe, da produção. Campbell aparece só no finalzinho como policial, mas claro que no lançamento do VHS e DVD o nome dele vem em letras garrafais e com um baita destaque, num truque mercadológico dos mais escroques.

Raimi sentindo na pele!

Raimi sentindo na pele!

A ideia de um bando de gente confinada em um local específico, durante uma única noite, sendo caçadas um a um por um terrível assassino, não é das mais originais do mundo, mas funciona muito bem por um simples motivo específico: a química entre o elenco. Enquanto geralmente nos slashers movies há sempre aquele monte de estereótipo de adolescentes idiotas com seus “25 anos” com personalidades mais rasas que um pires e uma ordem praticamente idêntica das mortes, aqui estamos vendo um grupo de pessoas comuns, que ganham a vida árdua trabalhando em um supermercado, com quem você até cria empatia e se identifica, e fica realmente apreensivo em saber quem será a próxima vítima.

Só que o filme demora a engrenar se você está preocupado só com a matança desenfreada. Mas aí quando chega, a criatividade, sempre presente nessa galera do mal aí, delicia até os mais fanáticos fãs dos filmes de terror.  Na trama, Jennifer Ross (Elizabeth Cox) é caixa de um supermercado em Walnut Lake (exatamente a região em que Spiegel, Campbell e os irmãos Reimi cresceram) e se vê ameaçada pelo ex-namorado, Craig Peterson (David Byrnes) que está em liberdade condicional e não digeriu ainda muito bem a separação.

Todo o staff do supermercado se junta para escorraçar o cara que passa a criar confusão no local e agir como um maluco. Após se livrar do sujeito, ao fechar das portas, todos têm uma péssima notícia: o local será vendido pelos sócios, Bill (Dan Hicks) – sócio minoritário, a contragosto, e Danny (Eugene Robert Glazer) – afim só de lucro e vender o local para a especulação imobiliária – e todo mundo tem só mais um mês de trabalho e salário. Terminando o expediente noturno antes de irem para casa, devem dar uma geral no local para o dia seguinte e de quebra cada um deles começará a ser caçado piedosamente por um assassino “intruso”.

Carne de corte

Mas é friboi?

Então temos dois pontos extremamente clichês dos filmes do gênero, mas que nem comprometem tanto assim. O primeiro é que em todo momento vamos pensar que o psicopata, mesmo nunca sendo visto e sempre espreitando às sombras, é o bad boy de jaqueta de couro, ex de Jennifer. A segunda é a tal reviravolta final, quando a identidade do misterioso psicopata é revelada. Há algumas dicas plausíveis que já adianta quem pode na verdade ser o maníaco é só ficar ligado (apesar do sujeito simplesmente desafiar diversas leis da física, mas tudo bem). Mas o mais bacana mesmo é o final completamente pessimista e que foge bastante dos padrões convencionais, onde vemos os heróis não se dando nada bem, como de praxe.

Agora o que mais é legal mesmo em Violência e Terror é, hã… a violência. E o terror! A partir do momento que o filme engrena da sua metade para frente, um clima muito bem acertado de suspense conduzido por Spiegel é um dos grandes diferenciais dos típicos slahser. E a violência vem em doses cavalares, com cenas extremamente gráficas, incluído aí a fatídica sequência que o sujeito tem a cabeça dividida em dois por uma serra de cortar frios, ou o outro infeliz que tem seu rosto esmagado pelo elevador de carga. Os efeitos de maquiagem foram obra da santíssima trindade dos efeitos especiais: Howard Berger, Robert Kurtzman e Greg Nicoteco.

Pois bem, o que poderia ser um slasher movie mediano, de baixíssimo orçamento (130 mil dólares) torna-se uma grata surpresa por conta de todos os seus envolvidos, que foram capazes de, com bastante criatividade (como de costume), doses inteligentes de suspense e mortes brutais, dar a Violência e Terror um lugar de reconhecimento no subgênero que já andava capenga lá no final dos anos 80.

Duas caras

Duas caras

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Violência e Terror não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

7 Comentários

  1. JOSELITA disse:

    kkkkkkkkkk

  2. Fizeram com Raimi o que eu queria fazer com ele desde que dirigiu “Homem Aranha 3”

    • Vou ter que defender o Raimi, Chofer. A culpa de Homem-Aranha 3 não foi dele. Foi dos produtores da Sony e principalmente de Avi Arad, que foi quem enfiou a história do Venom goela abaixo do diretor, que só queria mesmo o Homem-Areia e talvez o Abutre, vivido pelo John Malcovich, que seria a opção do quarto filme, que acabou cancelado pelos figurões da Sony para o reboot do Marc Webb.

      Só esperando que a Sony se ferre ainda mais e devolva, ou pelo menos compartilhe mesmo (como constava na troca de e-mails vazados) os direitos do Aranha para a Marvel, para a Guerra Civil em Capitão América 3 e talvez novos filmes.

      Falou aqui o sujeito fanático pelo Cabeça de Teia desde que se conhece por gente! 😀

  3. Bbt Passos disse:

    tá sem seed, my friend… 🙁

  4. esse trailer dando spoilerrr hahahaahaha igual um poster de evil dead
    por uma razão inexplicável tenho tanto carinho por esse filme

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *