ROAAAAAAAAR

674 – Alien – A Ressurreição (1997)

71CBQWeBeJL._SL1500_

Alien: Resurrection

1997 / EUA / 109 min / Direção: Jean-Pierre Jeunet / Roteiro: Joss Whedon / Produção: Bill Badalato, Gordon Carroll, Davir Giler, Walter Hill; Sigourney Weaver (Coprodutora) / Elenco: Sigourney Weaver, Winona Ryder, Dominique Pinon, Ron Perlman, Gary Dourdan, Michael Wincott, Brad Dourif

 

O primeiro e único filme da franquia que eu assisti no cinema foi Alien – A Ressurreição.(quer dizer, se você não contar Prometheus). Ai, que desgosto, até por eu ser FÃ PARA CARALHO do alienígena xenomorfo, como vocês devem já ter lido por aqui nos outros posts da quadrilogia.

Depois do seminal Alien – O Oitavo Passageiro, o eletrizante Aliens – O Regaste e o sujo e grosseiro Alien 3, todos excelentes filmes (TODOS, SEM EXCESSÃO E INCLUO O ALIEN 3 SIM, LIDE COM ISSO!) Ripley tava lá mortinha da silva, seu ciclo completo, se suicidou grávida de uma alien rainha no ventre, mas claro que os inescrupulosos produtores e estúdio foram lá ressuscitar a primeira grande heroína do cinema com experiência genética de clonagem de DNA para fazer essa porcaria maldita de filme horrível.

Sério, como conseguiram fazer uma bomba tão grande com uma série com enorme potencial? E olha que fiquei espantadíssimo ao descobrir, revendo-o para a análise, que o roteiro é do Joss Whedon, sim o cara responsável por Buffy – A Caça Vampiros, Firefly (que obviamente teve como protótipo original a sua própria trama de Alien – A Ressurreição) e Os Vingadores e Vingadores: A Era de Ultron. Tá certo que mais tarde Whedon demonstrou sua insatisfação com o filme (ah, vá!). O resultado final está bem diferente do que escrito originalmente por ele, principalmente no tom do filme, que deveria possuir diálogos mais ferinos e sarcásticos (como estamos acostumados na obra de Whedon), um tom realista e menos fantasioso, mas que foi rechaçado pelo diretor que teve carta branca em modificar tudo que quisesse e o tornasse mais sério. Então a impressão que dá é que todos os momentos de humor estão completamente fora de contexto, e isso fica muito óbvio, por exemplo, na desgraça que é o personagem do General Martin Perez (Dan Hedaya) que destoa completamente com suas caras e bocas e jeito caricato.

Mezzo Alien, mezzo humano

Mezzo Alien, mezzo humano

Aliás Whedon ficou infeliz com quase absolutamente tudo do filme (mega te entendo, parceiro!) e explicou isso em uma entrevista em 2006. O final foi alterado, o tom saiu errado, os diálogos saíram errados, o elenco estava todo errado (principalmente a Ladrona, quer dizer, Winona Ryder), o design saiu errado, a trilha sonora saiu errado, e que o problema não estava no roteiro, mas na forma que ele foi executado, de uma forma tão medonha que se tornava impossível de assistir. Olha, não tenho como saber se o que ele fala é verdade sobre o roteiro, mas que tenho que concordar que o filme ficou “medonho” e “quase impossível de assistir”, ah, isso tenho.

Outro problema de grandeza maior de Alien – A Ressurreição é a Ripley, que está descaracterizadíssima, mesmo com Sigourney Weaver retornando ao papel (pela singela bagatela de 11 milhões de verdinhas, o orçamento de O Oitavo Passageiro). Aquela heroína construída nos três primeiros longas, que durantes anos e anos foi às duras penas ficando a mercê de situações terríveis por conta da ganância da Weyland-Yutani ao obrigar a Nostromo a descer naquele planeta inóspito, mas adquirindo um instinto de sobrevivência fortíssimo e fibra salutar, foi substituída por uma personagem sem profundidade alguma, que parece estar se divertindo em várias cenas com seus sorriso de canto de boca, uma forçada empatia com a criatura (mesmo que ela seja um clone e que tenha geneticamente o DNA do alienígena dentro de si) e claro, os “superpoderes” com sua força e agilidade sobrehumana e o sangue ácido como das baratas espaciais (que não convence, uma vez que o tecido recomposto de seu novo corpo clonado não tem a mesma resiliência da carapaça dos aliens).

Já que estamos falando de problemas e motivos que o filme simplesmente não funciona e é uma porcaria de marca maior, outro é o híbrido alienígena humano, nascido da nova habilidade da Rainha em ter adquirido a forma de reprodução humana, característica herdada do DNA de Ripley. Que convenhamos, é uma faca de dois gumes, pois ao mesmo tempo em que não precisa mais de hospedeiros para o parasitar incubar, é completamente menos eficaz, uma vez que não conseguirá botar a larga quantidade de ovos e a reprodução assexuada (eu acredito) dará luz a apenas um monstrengo. Que é feio de dar dor, beirando o ridículo com sua aparência bípede albina, e me conta o que são aqueles olhos e aquela sua carinha fofa de dó, como se fosse um filhotinho de cachorro, que eles quiserem colocar no alienígena? Sem comentários…

A talentosa Ripley

A talentosa Ripley

E claro, Alien, diferente de todas as outras franquias do cinema (TODAS) tiveram só diretores fodas conduzindo os filmes. Foi Ridely Scott no primeiro, James Cameron no segundo, David Fincher no terceiro e aqui o francês Jean-Pierre Jeunet, dos incríveis Delicatessen e Ladrão de Sonhos e mais tarde do cult adorado pelas indiezinhas, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Mas aqui claramente o toque francês (e europeu) do diretor não ornou nem um pouco na idealizada típica sequência caça-níquel com um roteiro mixórdio vislumbrada pelos engravatados de Hollywood, que resultou no faturamento de “apenas” 47 milhões de dólares nos EUA (mediante seus 75 milhões de orçamento), salvando o prejuízo só com a bilheteria mundial. Aliás, se tem UMA cena à lá cinema europeu nesta quarta parte, é o bonding entre Ripley e os tentáculos da Alien Rainha, que vejam só, quase foi cortada pela FOX pela sua sugestão de natureza sexual, se não fosse Weaver ter batido o pé e dito que não promoveria o filme se a cena fosse retirada.

Ah, a trama né? Os miliares resolvem clonar Ripley para poder extrair a Alien Rainha de seu bucho, uma vez que a raça interplanetária foi extinta, e mais uma vez tentar levar adiante a ideia de girico de transformá-los em armas biológicas. Um grupo de mercenários de uma nave chamada Betty leva uma carga contrabandeada para a base espacial, que na verdade são humanos para servirem de hospedeiros para serem abraçados pelo facehuuger e gestarem os xenomorfos. Claro que vai dar merda, a tripulação ou foge ou é morta, e cabe aos membros da Betty, junto de Ripley, escapar com vida e impedir que a nave com os alienígenas alcance a Terra devido a um procedimento de emergência.

Nem a cena subaquática dentro do tanque com a perseguição dos aliens salva o filme. Pelo menos há uma grande dose de sangue e temos a espetaculosa destruição do híbrido recém nascido, que é nojenta pra cacete e das mais inspiradas (e fantasiosas) de Alien – A Ressurreição. A franquia foi enterrada de vez com esse lixo espacial, vimos depois as criaturas nos não menos escabrosos crossovers com o Predador e somente agora, quase vinte anos depois, que veremos um novo filme, dirigido pelo sul-africano Neill Blomkamp, que será uma continuação direta de Aliens – O Resgate, ignora essa barbaridade. Façamos o mesmo então!

ROAAAAAAAAR

ROAAAAAAAAR

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Alien – A Ressurreição aqui.

E o Blu-Ray aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

5 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    A única coisa que gosto nesse filme é a fotografia. O resto…. E pensar que Jean-Pierre Jeunet foi o diretor disso daí.

  2. Hierofante1970 disse:

    Alguém consegue me explicar como aquele alien que arrebentou a cara da rainha conseguiu chegar na nave Betty quase ao mesmo tempo que a Ripley, sendo que ela correu feito uma louca e ele se movia a passos de tartaruga. Será que o baby Alien teria o poder de se teletransportar??? kkkkkkkkkkkkkkkk. Só sei que o filme é muito ruim mesmo vamos ver se o novo salva a franquia.

  3. Andrigo Mota disse:

    MAssa esse filme. N vezes melhor que o 3 (que era aquilo).
    Mas ainda anos luz de distancia do aliens o resgate

  4. […] os eventos em Alien 3 e toda aquela pataquada de uma Ripley ressucitada por clonagem de DNA em Alien – A Ressureição, sendo uma sequência direta de Aliens – O Resgate, de James Cameron. Infelizmente, esse […]

  5. […] como eu sou vidrado na criatura, na franquia e tudo que o envolva (mas não a ponto de defender Alien  – A Ressurreição, só para constar). Então seria impossível não gostar do livro, que apesar de trazer a mesma […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *