Weapon of choice!

699 – A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999)

sleepy_hollow_ver2_xlg

Sleepy Hollow

1999 / EUA, Alemanha / 105 min / Direção: Tim Burton / Roteiro: Kevin Yagher, Andrew Kevin Walker (baseado na história de Washington Irving) / Produção: Scott Rudin, Adam Schroeder; Kevin Yagher (Coprodutor); Andrew Kevin Walker (Coprodutor – não creditado); Dieter Geissler, Mark Roybal (Produtores Associados); Larry J. Franco, Francis Ford Copolla (Produtores Executivos) / Elenco: Johnny Depp, Christina Ricci, Miranda Richardson, Michael Gambon, Casper Van Dien, Jeffrey Jones, Michael Gough, Christopher Lee, Christopher Walken

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça é meu filme preferido de Tim Burton. Apesar do cara ter esse lado dark/ gótico/ esquisito bem acentuado, sempre colocando esses elementos peculiares em seus filmes e animações, principalmente no começo de sua carreira, a sua adaptação para a clássica história da literatura americana escrita por Washington Irving é realmente a bola mais dentro nos padrões do filme de gênero, e talvez a mais legítima, até se você levar em conta as bobagens tresloucadas posteriores como Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet e o execrável Sombras da Noite.

Lembro que quando o filme chegou aos cinemas do Brasil eu ainda era menor de idade, mas estava em vias de completar meus 18 anos, que era a classificação indicativa da produção. Não consegui comprar o ingresso, pois a moça da bilheteria pediu meu RG e realmente me proibiu de assisti-lo, e olhe que eu não acreditava que esse lance de censura realmente existisse. Mas eis então que o espertalhão aqui escolheu um filme qualquer (juro que não me lembro qual) que começava próximo ao horário de A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça e zás, após entrar no interior do corredor do multiplex habilmente troquei de sala, me afundei o máximo que pude na poltrona do cinema, jurando que aparecia ali um lanterninha para pegar meu delito em flagrante e pude assistir ao filme de Burton numa boa. E olha que eu nem sou filho da Alessandra Negrini…

Mas pois bem, depois de contar um pouco mais um causo da minha vida de fã do horror, eis que A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça é um verdadeiro deleite que funciona em todos os seus níveis. Começa do fato de ter a marca registrada depressiva e atmosfera soturna de Burton, misturado por uma série de influências que teve em sua vida, as quais nunca efetivamente tinha conseguido levar para as telas, como as óbvias referências, principalmente estéticas e caricatas, dos filmes da Hammer dos anos 60 e do visual gótico do maestro do macabro, Mario Bava – mais nitidamente de A Máscara de Satã e Mata Bebê, Mata – além da pegada que mistura um pouco da Era de Ouro da Universal e os filmes de Roger Corman estrelados por Vincent Price. Até a presença de Christopher Lee e Michael Gough no elenco reforça isso.

De perder a cabeça!

De perder a cabeça!

Originalmente, A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça deveria ser dirigido pelo especialista em efeitos especiais, Kevin Yagher, o criador do visual de Chucky em Brinquedo Assassino e do Coveiro de Contos da Cripta. O primeiro esboço do roteiro e conversas com a Paramount datam de 1993, e o projeto seria o próximo após Yagher dirigir o fiasco Hellraiser IV: Herança Maldita.

Porém sua ideia era fazer um slasher de baixo orçamento, e por problemas criativos com o estúdio, a cadeira de diretor lhe foi tomada, deixando-o apenas como coprodutor e responsável pela maquiagem e protética. Seu roteiro escrito junto com Andrew Kevin Walker passou pela revisão de Tom Stoppard e Burton fora contratado, uma vez que naquele final de século o terror tinha voltado para ficar, para assumir a direção, após o fracasso de tentar levar à frente o que seria o hipoteticamente pavoroso Superman Lves com Nicholas Cage (que nesse momento vira tema de documentário).

Claro que Burton só poderia chamar ninguém menos que seu ator fetiche, Johnny Depp, para o papel de Ichabod Crane, que aqui se transforma em um detetive de Nova York, ao invés de um professor, como no texto original de Irwing, que viaja até Sleepy Hollow para investigar uma série de assassinatos misteriosos ocorridos naquela colônia holandesa agrícola do final do século XVIII, onde as vítimas eram degoladas e suas cabeças desapareciam, levadas como souvenir pelo assassino. E claro que Depp faria o sujeito o mais estranho que poderia conceber, com seu toque peculiar, mas ainda assim dentro das imposições do estúdio, que não queriam algo também tão esquisito e exigiram que nomes como Brad Pitt, Liam Neeson ou Daniel Day-Lewis fossem considerados para o papel. Cê acha que Burton ia topar?

Trevosos!

Trevosos!

Descobre-se então lá pelas tantas, e isso nem pode ser considerado um spoiler, vai, que as vítimas todas são os poderosos de Sleepy Hollow e tem alguma ligação com a abastada família Van Tassel, sendo que o terrível executor é o tal do Cavaleiro sem Cabeça, um sanguinário ex-combatente hesseno que sai da floresta em busca de… hã, cabeças, na procura por sua própria, perdida durante a guerra quando morto em uma emboscada, que é vivido por Christopher Walken, que não fala uma palavra o filme todo, mas vale pela sua sempre aparência assustadora e seus dentes pontiagudos.

Claro que Crane não acredita muito nessa história, uma vez que pretende aplicar seus recém adquiridos conhecimentos científicos em prol da investigação criminal. Mas durante o processo, acaba conhecendo e se apaixonando por Katrina Van Tassel, papel da não menos esquisita Christina Ricci, a eterna Vandinha da Família Addams, que tem lá seu pezinho na bruxaria e no oculto, e está prometida a Brom Van Brunt (Capser Van Dien), mas que acabará se apaixonando pro Crane, e vice-versa, garantindo, lógico, um par amoroso para a trama.

A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça tem lá seus momentos atmosféricos e sombrios, mas sempre com um característico misto de comédia caricata camp, que Burton e Depp sabem usar como ninguém, ainda mais pela inspiração no cinema de terror dos anos 50 e 60, cenas de decapitação e violência com uma dose considerável de sangue e uma perfeita amálgama entre os efeitos especiais digitais assinados pela Industrial Light and Magic e a maquiagem e efeitos em humanos e criaturas supervisionados por Yagher. Mas o desbunde mesmo da fita são a direção de arte e design de produção do set, que não por menos deram um Oscar® a Rick Heinrichs e Peter Young, além de valer indicação ao careca dourado pela direção de fotografia de Emmanuel Lubezki e design de figurino, de Colleen Atwood, ambos também um espetáculo a parte.

Weapon of choice!

Weapon of choice!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Ramon disse:

    Já pensou o liam Neeson no lugar do Johnny Depp? Caindo na porrada com o cavaleiro kkkkkk

  2. Leandro disse:

    Também é o meu favorito do Tim Burton. Gosto também daquele curta de animação Vincent, narrado pelo mestre!

  3. Matheus L. CARVALHO disse:

    Não sei nem por onde começar minha fascinação por esse filme.
    Quando soube que ia acontecer, fiquei morrendo de ansiedade e curiosidade, porque conhecia MUITO bem a história de Ichabod Crane e o Cavaleiro Sem Cabeça. Fui apresentado à esses personagens na clássica versão da Disney (1945), lançada em um VHS chamado “HISTÓRIAS ARREPIANTES DISNEY” (1988), uma espécie de Creepshow, da Disney, onde os personagens protagonizam oito historias assustadoras diferentes, sem nenhuma relação com a anterior. A historia de Ichabod era a quinta, batizada “Ichabod Crane – A Lenda de Sleepy Hollow”. De cara, me apaixonei pelo que vi, principalmente pelo visual clássico e inigualável de Ichabod Crane, que surge na tela de forma discreta, caminhando pelo campo de Sleepy Hollow, com seu livrinho na frente do rosto. Por muitos anos, passei a imitá-lo varias vezes, chegando inclusive a fazê-lo na minha festa de aniversário de 6 anos. Ainda tenho o VHS hoje, mas passei para DVD para que não estragasse. Ainda hoje, assisto a ele, prestando atenção à Dublagem Clássica, com Ronaldo Baptista narrando a historia brilhantemente; o melhor da fita, é que a imagem é escura, comum para a época, e as canções não são dubladas. Uma pena que anos depois, a animação foi redublada várias vezes, a primeira novamente com Ronaldo Baptista, mas as canções foram traduzidas… Uma pena.
    Mas, voltando ao filme de Tim Burton, alguns dias antes do lançamento, minha mãe me acordou de madrugada para assistir a um documentário sobre a produção. Em seguida, quando fui com meu irmão e minha tia ao cinema, para assistir a outro filme, um dos trailers era justamente o desse filme, o que aumentou minha ansiedade de assisti-lo.
    E finalmente, no dia do lançamento, fomos eu, minha mãe e irmão ao cinema para assistir. De quebra, devo dizer que adorei o filme! e fiquei impressionado com a sequencia de abertura, com a inesperada tomada do cocheiro que perde a cabeça. O restante da sessão correu normalmente, com a surpresa surgindo na nossa frente a cada momento. Quando acabou, voltamos no ultimo dia de exibição para assistir novamente.
    Quando o VHS foi lançado, minha animação foi maior ainda. Um ano depois, minha mãe me presenteou com o VHS legendado do filme, que possuo até hoje. Com a chegada do DVD, foi presenteado com o DVD, com uma dedicatória dela. O chato é que no ultimo dia de exibição do filme, ganhei um pôster no cinema, mas não sei o que aconteceu com ele.
    “A LENDA DO CAVALEIRO SEM CABEÇA” é o terceiro filme da parceira Tim Burton/Johnny Depp e da mesma forma que os anteriores, é um enorme acerto na carreira de ambos. Johnny Depp está perfeito como Ichabod Crane e Christina Ricci está maravilhosa como Katrina Van Tassel, aliás, ela fez o que nenhuma outra atriz conseguiu fazer: interpretou Katrina com naturalidade, amor e doçura, da mesma forma que Walt Disney fez com a versão animada – Christina Ricci captou a alma da personagem.
    A Lenda é visualmente um filme maravilhoso, com sua fotografia escura, direção de arte extraordinária – que rendeu um Oscar ao filme – figurino magnifico e efeitos especiais de primeira.
    Tim Burton deu um verdadeiro toque Hammer ao filme, fazendo o que ele sabe fazer de melhor: misturar luz e escuridão de forma que nenhum outro cineasta consegue.
    É um filme de primeira, com ar de super produção de Hollywood.
    No mesmo ano, o filme ganhou uma divertida versão para TV, lançada pela Hallmark Channel, com Brent Carver como Ichabod e Rachelle Lefevre como Katrina. Não é um filme excelente, mas conta a história original de forma maravilhosa.
    Enfim, “A LENDA DO CAVALEIRO SEM CABEÇA” é um excelente filme, com muitos acertos, atuações brilhantes e um elenco estrelar de primeira.
    TOTALMENTE RECOMENDADO!!!!!!!!!!!

  4. Papa Emeritus disse:

    Aí vou ter que discordar.

    Não gosto da Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, mas gosto de Sweeney Todd. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

    Não me culpem, Sweeney Todd é um musical recheado de sangue. Pirei com isso. kkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Matheus L. CARVALHO disse:

      Eu também adoro “Sweeney Todd”. Na verdade, TODOS os filmes da dupla BURTON/DEPP são excelentes!!!!!
      Mas, poxa… você não gosta d’A LENDA DO CAVALEIRO SEM CABEÇA… Que pena…

      • Papa Emeritus disse:

        Infelizmente eu não gostei do filme. Eu até assisti ele no cinema, mas sei lá… alguma coisa não me desceu nesse filme.

  5. Andrigo Mota disse:

    bom filme. So por causa do C.W.

  6. Jaleel Barroso disse:

    De fato esse filme é daqueles que te grudam na frente da tela. Os efeitos visuais, o figurino, a maquiagem e tudo o mais é muito bom. Tim Burton sabe colocar aquele mistério nos filmes dele; que pena que ele discorda que sabe fazer filmes de terror.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *