O mensageiro não é importante? Fala isso pro McLuhan!

704 – Stigmata (1999)

tumblr_mqvk366DN51r41cf8o3_1280

1999 / EUA / 103 min / Direção: Rupert Wainwright / Roteiro: Tom Lazarus, Rick Ramage / Produção: Frank Macuso, Jr. / Elenco: Patricia Arquette, Gabriel Byrne, Jonathan Price, Nia Long, Thomas Kopache, Rade Serbedzija, Enrico Colantoni, Dick Latessa

 

Foi exatamente em dezembro de 1999, poucos dias antes de acabar o milênio, que fui aos cinemas assistir Stigmata. E como eu havia adorado o filme lá no auge dos meus 17 anos! Sempre considerei O Exorcista meu filme de terror preferido de todos os tempos, e ver um bom longa com essa temática de possessão e preceitos religiosos foi uma experiência altamente interessante.

Hoje, passados 16 anos de sua estreia, o filme perdeu bastante da sua força e de seu impacto inicial, mas ainda assim é um dos bons exemplares do cinema de terror que surgiu ali no final dos anos 90, em meio a questionamentos religiosos e dúvidas por conta da chegada do Século XXI, e também um dos mais emblemáticos, que ajudaram a definir o final daquela década. Mais que isso, Stigmata fez um belo trabalho nas bilheterias e tornou-se um hit.

No site Christian Answers (não, eu não o leio, foi apenas uma pesquisa para esse meu texto, tá), um dos leitores escreveu que Stigmata é “um filme que mistura o misticismo cristão com cinismo narcisista, resultando em um produto que glorifica satã mais do que glorifica Deus”. Tá, críticas cristãs de cinema não merecem ser levadas nada a sério, mas ao meu ver, essas qualidades aí citadas ajudam a atestar a eficácia do roteiro do filme, que coloca a verdadeira Igreja Católica como inimiga, com seus círculos secretos, conchavos e conspirações por poder, influência, controle e dinheiro cada vez maiores, algo que remete a Santa Sé desde que ela fora criada, e não algum demônio que resolve  possuir o corpo de uma garota incauta.

Na verdade, ao chegarmos em todas as conclusões do longa, vemos que na verdade o demônio não tem papel algum na história, apesar de acreditarmos que sim, a personagem de Patrícia Arquette está possuída pelo capeta, mas na real, sua possessão é muito mais religiosa e cristã do que poderíamos imaginar (o que também não faz lá o menor sentido, mas tudo bem, vamos deixar na conta da boa e velha suspensão da descrença).

Oh, pai (voz do Inri)

Oh, pai (voz do Inri)

Talvez o mais interessante ponto do filme de Rupert Wainwright é explorar a questão dos estigmas, fenômeno onde em determinadas pessoas, geralmente profundamente religiosas, surgem as chagas de Cristo, que remetem aos ferimentos sofridos durante a crucificação. São cinco essas chagas: a perfuração nos pés, punhos, a coroa de espinhos, as chibatadas e por último, a lança que atravessou seu peito. Frankie Paige (Arquette) é uma cabelereira clubber de Pittsburgh, ateia confessa, que passa misteriosamente a ser acometida por esses ferimentos.

O padre Andrew Kiernan (Gabriel Byrne) que faz parte de uma divisão do Vaticano chamada Congregação da Causa dos Santos, é o responsável por percorrer o mundo em busca de provas científicas que atestem ou desmistifiquem milagres. Ele é enviado para uma cidade fictícia no sudeste do Brasil, Belo Quinto, para solucionar o caso da estátua de uma santa que chorava sangue, e encontra toda uma comunidade religiosa em luto pela morte de seu pároco, o Padre Alameida (alguém já viu aí um brasileiro com sobrenome de Alameida? Eu conheço vários Almeidas…). Um brasileirinho típico retrato da nossa malandrági rouba o terço do padre e vende em uma feira local, e uma gringa o compra, enviando para sua filha nos EUA, que é exatamente a Frankie. Os estigmas começam a surgir logo após o contado dela com o artefato religioso.

Pois bem, Kiernan é enviado para investigar a recém estigmatária, e acaba descobrindo uma conspiração maciça dentro da Igreja, onde três padres, incluindo Alameida, estavam traduzindo um documento conhecido como o evangelho de Tomás, escrito em aramaico, que é um dos evangelhos apócrifos, e acredita-se ser as verdadeiras palavras de Jesus para seus discípulos, e foram silenciados com seu trabalho interrompido. Esse documento existe de verdade, só que está escrito em copto, uma antiga língua egípcia baseada no alfabeto grego. Só que essas palavras, se atestadas a sua veracidade, implodiriam a Igreja Católica do jeito que nós conhecemos, pois prega que Jesus está em todo lugar, e não necessariamente, sobre o teto de um igreja ou uma instituição de doutrina. Claro que os carolas não iam querer isso.

Então logo o Cardeal Daniel Houseman (Jonathan Pryce, que hoje reprisa um papel de líder religioso fanático como o Alto Septão de Game of Thrones, que obrigou Cersei Lannister a andar pelada pelas vielas de Porto Real na temporada passada) descobre a abelhudice de Kiernan e o perigo real que Frankie representa ao Vaticano, e resolve então usar os bons e velhos métodos da Igreja utilizados na idade média, e dar cabo de seu probleminha.

PARE! Até quando você vai desmistificar a igreja...

PARE! Até quando você vai desmistificar a igreja… (voz do Zezé di Camargo)

Mas durante o processo, além de rolar um clima entre a moça e o padre, vamos sendo apresentados a um comportamento errático de Frankie que dá a entender que ela está de fato possuída por um demônio, uma vez que os estigmatários acabam se tornando muito próximos de Deus, e em contrapartida, atormentados pelas tentações do mal, como aconteceu com o próprio JC durante seus 40 dias no deserto onde foi tentado pelo Coisa-Ruim. Isso claro, representado por todos os elementos visuais básicos do subgênero, como mudanças de feição, vozes guturais (com a mais clássica cena da frase “O mensageiro não é importante”), verbalização de línguas mortas, telecinese e levitação.

ALERTA DE SPOILER. Pule os próximos dois parágrafos ou leia por sua conta e risco. O fato que escapa um pouco do sentido em meio a um enredo interessantíssimo, é por que cargas d’ água Frankie começou a sofrer dos estigmas, sendo que apenas pessoas extremamente religiosas apresentaram as chagas de Cristo no decorrer da história da humanidade, sendo o primeiro, São Francisco de Assis, que só teve duas dela, e a moça caminhava para a quinta e fatal, mostrando-se a mais devota e abençoada dos seres humanos que já caminharam sobre a Terra? Daí ligando os pontos baseado na investigação de Kiernan que descobrimos que na verdade ela está possuída pelo espírito do Pe. Alameida, que era um estigmatário e quer foder com a porra toda da Igreja. Agora como diabos ele tem poderes supernaturais (a levitação, telecinese…) e pirocinese, como vemos na cena final, não me pergunte.

Aliás, falando sobre o desfecho de Stigmata, temos a questão do final alternativo, que para mim, funciona muito melhor do que aquele usado na versão de cinema, mais pessimista, onde ela acaba falecendo nos braços do Pe. Kiernan, após a tentativa de assassinato de Houseman e seus asseclas, como um mártir, e menos floreada, mostrando que Frankie sai daquela experiência quase como uma santa, canonizada, como a reencarnação de São Francisco de Assis misturada com a Virgem Maria e tudo de bom de todos os santos, e provavelmente viverá feliz para sempre com o padre bonitão. Mas que vai detonar a Igreja apesar de tudo, claro, já que em ambos os finais, o agora ex-padre vai até Belo Quinto na busca dos documentos traduzidos por Alameida.

Bem, como disse lá em cima, Stigmata é um desses filmes chaves e emblemáticos do final dos 90’s (quem não curtia aquela música tema do Chumbawamba, e quer porra mais anos 90 que CHUMBAWAMBA???), que entra no rol dos melhores do subgênero possessão, padres, Igreja Católica e afins.

O mensageiro não é importante? Fala isso pro McLuhan!

O mensageiro não é importante? Fala isso pro McLuhan!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Stigmata está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. joaoprs disse:

    Acho esse filme bem divertido. Quando se é mais novo dá para viajar bastante com essa trama.

    E sobre o Chumbawba…Chefe!!!…desenterrou… Kkk

    Eu ficava encantado com o estilo lésbicas-chic-frequentadoras-de-vernissage das mulheres da banda!

    Diz muito sobre mim hoje… Kkkkkkkkkkkkk

    Abraço!

  2. Ricardo Martins disse:

    Fazia sucesso até nas locadoras. Acho que tem argumentos interessantes distribuídos em uma execução irregular demais neste misto
    de terror, suspense e discussões religiosas. O melhor fica por conta da fictícia “Belo Quinto”, cidade de São Paulo que parece com tudo, menos Brasil.

  3. Papa Emeritus disse:

    Acho esse filme muito legal. Ele faz uma excelente crítica contra a Igreja Católica e toda sua hierarquia. A propósito, o nick que eu uso, Papa Emeritus, eu tirei do vocalista da banda Ghost, e ele se veste como um Papa só que deposto do seu “cargo” (que é o que significa “Emeritus” em latim. Alguém que se retirou do seu posto). E tem a ver comigo, pois eu era católico, mas depois de começar a questionar a Bíblia e o passado da Igreja eu me tornei agnóstico. Só não me tornei ateu porque não tenho certeza sobre a existência de Deus. E também eu cansei de proselitismo religioso.

    Abraços!

  4. “é o responsável por percorrer o mundo em busca de provas científicas que atestem ou desmistifiquem milagres. “, ou seja, ele é um “advogado do diabo” (pior que era esse mesmo o nome que era usado para quem tinha esse cargo, mas aí já tô fazendo referência a outro filme…)

  5. “líder religioso fanático como o Alto Septão de Game of Thrones, que obrigou Cersei Lannister a andar pelada pelas vielas de Porto Real na temporada passada” – PADRECO SAFADO!

  6. Geraldo Júnior disse:

    Ótimo filme !
    Marcou época mesmo.

    Chumbawamba como tema de abertura é demais !

  7. […] aos cinemas em outubro de 1999, mas com a explosão de filmes da mesma temática no período, como Stigmata e Fim dos Dias, teve seu lançamento adiado), Dominação foi um filme que me interessou quando vi […]

  8. […] Brian Penikas, o mesmo de A Hora de Pesadelo 3 – O Guerreiro dos Sonhos, A Família Adams, Stigmata, e mais recentemente, Piratas do Caribe, Jogos Vorazes, Guardiões da Galáxia e Interestelar. A […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *