"Eu vejo espirais, a todo momento"

717 – Uzumaki (2000)


uzumaki

Uzumaki / Spiral


2000 / Japão / 90 min / Direção: Higuchinsky / Roteiro: Takao Nitta, Chika Yasuo (baseado no mangá de Junji Ito) / Produção: Sumiji Myake, Dai Miyazaki; Mitsuro Kurosawa, Toyoyuki Yokohama / Elenco: Eriko Hatsune, Fhi Fan, Eun-Kyung Shin, Keiko Takahashi, Ren Ôsugi, Denden


Que o cinema japonês de terror é bizarro pacas, isso ninguém tem dúvida, Só que Uzumaki é um dos motivos cabais de porque falamos isso com tanto gosto! Afinal a película exala bizarrice durante seus 90 minutos de projeção.

Beirando a tosqueira, porém com verdadeiros momentos climáticos e uma fotografia lindíssima, Uzumaki traz os infortúnios de uma pequena cidade que está a mercê da… Maldição da Espiral! Isso mesmo, galera fica obcecada e com fobia de tudo que possuem espirais, de caramujos até máquinas de lavar roupa (vou chegar lá…)

Esse processo em cadeia começa com Toshio Saito (Ren Ôsugi) que passa a ficar obcecado pelos “uzumakis” ao filmar um caracol em seu jardim. Seu filho, Suichi (Fhi San) pressente que alguma coisa vai dar errado e chama sua amiguinha de infância e pretê, Kirie Goshima (Eriko Hatsune) para fugir com ele. A moça não vai, mas deveria ter ido viu, porque dali em diante, um festival do nonsense e do grotesco irá tomar a cidade de assalto, sempre tendo os espirais em voga, que pode estar no sushi, nos cachos de cabelo, e por aí vai.

Roda presa

Roda presa

Diferente do J-horror costumeiro que tem um apreço maior por situações atmosféricas de terror, trazidas por espíritos vingativos geralmente na forma de garotas de cabelão preto jogado no rosto, Uzumaki tem mais uma pegada Takashi Miike, abusando de cenas dantescas, numa linha tênue entre momentos violentos e mortes pesadas, com trasheira da boa, como a cena do sujeito virando os olhos como espiral, gente que vira caramujo humano, ou a colegial de cabelos gigantes em formato de espiral, que parece uma versão japa da Medusa dos Inumanos.

Uzumaki-10

Falando em HQ, Uzumaki é baseado em um mangá, publicado no Brasil como Uzumaki: O Espiral do Horror, escrito por Junji Ito. Talvez seja o fato da transposição para as telas ser cheia de situações cartunescas e inverossímeis, que podem desagradar, e muito, aquele que procura o cinema de horror japonês de praxe.

Mas não pense que no meio das bizarrices não vamos ser brindados com cenas violentas, como, por exemplo: o sujeito atropelado por um carro que fica preso no pneu em forma de espiral, como se fosse uma massinha de modelar; a mãe de Shuichi que enfia um caco de vídeo no ouvido, afinal o labirinto é um espiral (isso após uma lacraia entrar pela sua orelha, detalhe); ou o momento auge, quando Toshio cede de vez à loucura e se SUICIDA EM UMA MÁQUINA DE LAVAR ROUPA!

Outro ponto interessante é que Uzumaki é cheio de mensagens subliminares e abusa do CGI, distorcendo digitalmente a tela em forma de, adivinha, espirais, em vários momentos do longa.  Mas muitas das vezes os efeitos especiais são ruim de dar dó, em contraponto com a excelente maquiagem.

Não espere cinemão tradicional, explicações óbvias e situações razoáveis em Uzumaki, e tampouco o velho modelo do cinema de terror oriental. É um exercício da experimentação bizarra asiática, com visual funcional e que assusta e choca exatamente pelo seu pé no grotesco.

“Eu vejo espirais, a todo momento”



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Marcos Vital disse:

    Um dos melhores blog de horror. Parabéns pelos conteúdos, mas onde está o link pra baixar esse clássico japonês?

  2. Leonardo Vaz disse:

    Embora deixe um pouco a desejar quanto a história em relação ao mangá, o filme ficou bem afude.
    Gostei dessa pegada experimental, sem contar as distorções em espirais que vão aparecendo no decorrer do filme e que eles não fazem necessidade de ficar escancarando pro expectador…

  3. […] Pois bem, mas não é só no cinema ou anime que o Japão consegue exprimir toda sua estilística. E isso também ocorre quando se trata de terror. Há algum tempo circulou uma lista com mangás “bizarros” japoneses no Buzzfeed, e diante disso decidi conferi-la. Eis que encontro Uzumaki, que foi lançado em 1998 pelo mangaká, Junji Ito em três volumes, e mais tarde, adaptado para o cinema em um filme homônio. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *