zombie-1979-lucio-fulci

Horror italiano em 8 Bits!

Mamma mia! Pegue essa seleção de faux NES games e fale para mim se não seria incrível!


Já foi dito aqui no 101 Horror Movies que o vintage é tendência, e no caso dos games não é diferente. Pra quem já tem uma certa idade (como a tiazona aqui) e é fã de videogames desde criança, sempre rola aquele saudosismo com as fitas da Nintendo que assoprávamos para jogar.

Se tratando dos fãs do horror então, esse sentimento nostálgico fica ainda maior quando lembramos dos games assustadores da época, como por exemplo Castlevania ou Zombies Ate My Neighbors. Também teve uma leva de filmes que foram adaptados pro console, tipo A Nightmare on Elm Street, Jaws e Friday The 13th, o que nos fez sonhar (e ainda faz hoje em dia) com a possibilidade de mais filmes virarem jogos.

Mas como podemos encontrar quase tudo pelas ruas da internet, dá pra gente ter o gostinho de como seria jogar os clássicos do cinema italiano em versão 8 bits vendo essa seleção de faux NES games que eu trouxe pra vocês:

Suspiria (1977) - Dario Argento

Suspiria (1977) – Dario Argento

Hell of the Living Dead (1980) - Bruno Mattei

Hell of the Living Dead (1980) – Bruno Mattei

Eyeball (1975) - Umberto Lenzi

Eyeball (1975) – Umberto Lenzi

Demons (1985) - Lamberto Bava

Demons (1985) – Lamberto Bava

Deep Red (1975) - Dario Argento

Deep Red (1975) – Dario Argento

Cemetery Man (1994) - Michele Soavi

Cemetery Man (1994) – Michele Soavi

Burial Ground: The Nights of Terror (1981) - Andrea Bianchi

Burial Ground: The Nights of Terror (1981) – Andrea Bianchi

Black Sunday (1960) - Mario Bava

Black Sunday (1960) – Mario Bava

Anthropophagus (1980) - Joe D'Amato

Anthropophagus (1980) – Joe D’Amato

Zombie (1979) - Lucio Fulci

Zombie (1979) – Lucio Fulci

The House by the Cemetery (1981) - Lucio Fulci

The House by the Cemetery (1981) – Lucio Fulci

The Black Cat (1981) - Lucio Fulci

The Black Cat (1981) – Lucio Fulci


Niia Silveira
Niia Silveira
Mentalidade de Jack Torrance num corpinho de Annie Wilkes. Foi criada em locadoras e bibliotecas e se apegou ao universo do horror ainda pequena. Não cresceu muito em estatura de lá pra cá, mas sua paixão por sangue e desgraça aumenta a cada dia.

0 Comentários

  1. Leonardo Vaz disse:

    O melhor são os modos ‘alternativos’!

  2. Vinicius Lemos disse:

    Se isso fosse real, eu botar o meu velho NES 8 bits de volta pra funcionar, so pra jogar os modes, hahahaha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *